terça-feira, 22 de abril de 2008




Brazil, Russia Sign Agreement on :

Space Launch Vehicles,4670,BrazilRussia,00.html

Source: BBC Monitoring Americas

Brazil is going to participate in the programme to develop an advanced combat plane, the PAK-FA T-50, that will be built by the Russian Sukhoi firm. The aircraft, invisible to radar, promises to equal or exceed in performance the F-22 Raptor fighter produced in the United States (the most expensive in the world at a unit cost of 225m dollars) and should make its first flight within two years at most.

Construction of the new aircraft is only part of a wide-ranging memorandum of understanding negotiated in Moscow in February and signed yesterday by Minister of Strategic Affairs Mangabeira Unger and the secretary of the Security Council of the Russian Federation, Valentin Alekseevitch. The framework agreement marks the start of extensive cooperation between the two countries, including that on technologies considered sensitive. Called for in the space field is construction of a new launch vehicle for communication and remote sensing satellites. Use of he Alcantara Airspace Base by a new binational firm is also contemplated in the treaty.

While discussing the PAK-FA, Mangabeira emphasized that it would be "a fifth-generation fighter." Total cost is estimated at about 20bn dollars to be divided among Russia, Brazil, and India, which will also participate in the programme. The unit price, lower than that of fourth-generation European fighters, will be approximately 80m dollars.

In addition to being invisible to radar, the fifth-generation combat planes will be capable of reaching supersonic speed using half the engine's power, a capability that reduces fuel expense, increases range, and reduces enemy engagement time. Currently, only the Americans have aircraft with those characteristics - the F-22 Raptors - in operation. A cheaper model, the F-35 Lightning, which costs 135m dollars, is in the certification phase. Minister of Defence Nelson Jobim was able to watch a demonstration of that fighter during his visit to the United States, but the aircraft was ruled out because no technology transfer was offered with it.

"We are interested not in buying finished goods but in partnerships that can strengthen the technological capability of both," the minister said. Besides Russia, China and Japan are also working on fifth-generation aircraft, but the PAK-FA project, which began 10 years ago, is the one currently at the most advanced stage.

Satellite Launch Vehicle

Russia is already cooperating with Brazil in the space field. A group of experts is in Sao Jose dos Campos acting as advisers on the Satellite Launch Vehicle (VLS) programme. The Russians are participating in the design of a new first stage, using liquid rather than solid fuel, for the rocket, which has accumulated a series of failures since the first launch attempt in 1997. Our country also has technology transfer programmes with Ukraine in connection with the production of rockets and with France, which intends to produce medium-size helicopters in Minas Gerais and submarines in Rio de Janeiro.

Brazil and Russia to build jet fighter and satellite launch vehicles

By ASSOCIATED PRESS - Jerusalem Post

Brazilian and Russian officials said Tuesday that the two countries have signed an agreement to jointly develop jet fighters and satellite launch vehicles.

Brazil's Strategic Affairs Minister Roberto Mangabeira Unger says the agreement will lead to the development of a fifth-generation jet fighter, the most modern model now flying.

Tuesday's agreement includes the construction of rockets capable of hurling several kinds of satellites into space.

Russian-made Sukhoi fighter jets fly during a military parade

Russia to Make G5 Fighter in Tandem with Brazil

By kommersant

Russia and Brazil have inked an agreement to jointly develop G5 fighter jets and boosters that will place into orbit different types of satellites.

Russia and Brazil intend to develop the G5 fighter jet, AP reported with reference to Brazil’s Minister for Strategic Affairs Roberto Mangabeira Unger. The agreement also spells out joint production of boosters capable of placing into orbit various types of satellites.

Of interest is that Russia and India concluded a similar agreement for G5 fighters past fall.

The G5 fighter will be created by 2009, Russia’s First Vice Premier Sergei Ivanov pledged earlier. Member of Sukhoi Aviation Holding, Chkalov Novosibirsk Aviation Production Association will manufacture the front section and auxiliaries for making the parts from glass and carbon composite. Other enterprises of Sukhoi will focus on remaining components.

5th++ generation fighter jet, concept

Russo-Brazilian fighter jets to reach for the sky

Russia and Brazil are to jointly develop a fifth-generation fighter jet. The two countries also plan to build space rocket vehicles.

An agreement was signed on Tuesday according to the Brazilian Minister of Strategic Affairs, Roberto Mangabeira Unger.

Currently only the U.S. produces similar military aircraft, although several other countries have the capabilities.

The maiden flight of Russia’s first fifth-generation fighter, developed by the Sukhoi design bureau, is expected to take place next year.

Brazil, Russia to build jet fighter


BRASILIA, Brazil (AP - Associated Press ) — Brazil and Russia signed an agreement on Tuesday to jointly develop top-line jet fighters and satellite launch vehicles.

Brazil's Strategic Affairs Minister Roberto Mangabeira Unger told reporters the agreement will lead to the development of fifth-generation jet fighters that are built using sophisticated engineering, such as composite materials, stealth technology and advanced radar.

The agreement signed by Unger and the deputy secretary of Russia's Security Council, Valentin Sobolev, includes the construction of rockets capable of hurling several kinds of satellites into space.

Brazil builds its own small and medium-size rockets that are launched from the Alcantara base in the northeastern state of Maranhao.

The base is considered an excellent launch site because it is located just 2.3 degrees south of the equator, the line at which the Earth moves the fastest, helping propel rockets into space with less fuel.

Tuesday's agreement calls for advanced training in the field of cybernetics, which Mangabeira called "essential for the defense and the technological evolution of our industry." It also involves the transfer of technology, something Brazil has always insisted on.

Earlier this year, France aid it would transfer technology to the Brazil for construction of the Scorpene attack submarine, helicopters and the Rafale fighter plane.

The Scorpene is a conventional attack submarine, but Brazilian officials have said they want the diesel-powered vessel to serve as a model for the development of a nuclear submarine that would be the first in Latin America.

University of Brasilia political scientist David Fleischer said the agreement may not advance very far because Russia may limit the transfer of technology for the fighter jets.

"The problem is that the Russians have never been all that keen on technology transfer," Fleischer said. "But then again the Russians may want to beat out the French, so the deal could eventually go through."

"A deal with Russia, together with Venezuela's recent purchases of Russian weapons, could spark an arms race in South America," Fleischer added.

Venezuela recently bought 53 Russian-made attack helicopters, 100,000 assault rifles, 24 Sukhoi fighter jets, 12 military transport planes and 5,000 sniper rifles.

Moscow, New Delhi set to develop a fifth-generation fighter

MOSCOW. (Yury Zaitsev for RIA Novosti) - Although the Russian Mikoyan-Gurevich MiG-29 Fulcrum air-superiority fighter with a vectored-thrust engine is currently stealing the limelight at the Dubai Air Show 2007, this warplane will become obsolete in the foreseeable future.

Fifth-generation fighters featuring entirely new engineering solutions will form the mainstay of national air forces in the 21st century.

On November 15, Russia's Sukhoi Military Aviation Complex and the Indian Defense Ministry launched a new round of talks on developing a fifth-generation fighter.

On October 18, Russian President Vladimir Putin told a televised news conference that Moscow would start developing such warplanes by 2015. Before that, First Deputy Prime Minister and former Defense Minister Sergei Ivanov said a prototype fifth-generation fighter would perform its maiden flight in 2009, and that serial production would commence in early 2010. But most experts were not so optimistic and predicted that the first warplane in this category would not appear before 2012-2014, which is supported by President Putin's statement.

However, the world's first fifth-generation fighter, the prototype US F-22 Raptor fighter, first took off on September 7, 1997. Two weeks later, Russia's Sukhoi Su-37 Berkut, another prototype fifth-generation fighter, flew for the first time.

Production versions of the F-22 Raptor and the US-EU F-35 Joint Strike Fighter are currently available. The latter, which is referred to as a generation five-plus fighter, seems to out-perform the former.

Unfortunately, Russia has so far failed to master production of the purely experimental Su-37, built by Sukhoi at its own expense. Nevertheless, the plane's lay-out makes it possible to streamline various engineering solutions under the Advanced Tactical Aircraft (PAK FA) program.

The United States and Europe spent over $20 billion on the F-35 JSF program. Therefore, experts believe that Russia should team up with a foreign partner in order to develop a fifth-generation fighter. It will take $600-800 million to design the engine, the most expensive element, and another $1.5 billion to launch serial production.

Moscow considered China and India to be the best partners. However, Beijing prefers to develop its own aircraft engines, and India is more interested in state-of-the-art designing methods and does not want to manufacture "ready-made" planes.

Russia and India started negotiating on the joint fifth-generation fighter program in 2003. New Delhi insisted that the new plane be developed from scratch. Moscow was not very happy about this because it implied another highly expensive project.

Apart from outstanding achievements, bilateral military-technical co-operation has been marked by major setbacks and even conflicts. And this explains why it took India so long to get involved in the new fighter program.

Both countries have faced serious problems such as upgrading the Admiral Gorshkov aircraft carrier. Under a bilateral contract, the Indian Navy was to have received the warship in 2008. However, the Admiral Gorshkov will only conduct its trial run from 2010 to 2012.

Moreover, Russian bureaucrats have failed to approve the preparatory documents of the Multi-Role Transport Aircraft (MTA) project during last two years and have nearly stopped it. New Delhi has already said that it could withdraw from the project and develop the MTA together with Brazil or the EU.

Tatyana Shaumyan, head of the Centre of Indian Research at the Russian Academy of Sciences' Institute of Oriental Studies, said Russian red tape, the inadequate fulfillment of contracts and delayed shipments had impaired many aspects of bilateral relations. This is why India is trying to protect itself from such negative developments.

For instance, the national air force floated a global tender for 126 combat jets worth $10 billion. Eighteen of the medium multi-role combat aircraft (MMRCA) will be purchased in flyaway condition and the remaining 108 manufactured in the country under a transfer of technology (TOT) agreement with the chosen supplier.

The 211-page request for proposal (RFP) has been sent to the manufacturers of six aircraft: the U.S. F-16 and F-18 Super Hornet, the Swedish Gripen, the French Rafale, the Russian MiG-35 and a European consortium's Eurofighter.

Indian engineers and technicians who know all about the Russian aircraft production process will quickly master the relevant technologies.

The Indian leadership seemed inclined to co-operate with the United States and to obtain F-35 JSF know-how. However, Washington, which refuses to share technologies even with its closest allies, offered some rather harsh terms to New Delhi.

This October, Russia and India agreed to jointly develop the fifth-generation fighter and to manufacture it at Hindustan Aeronautics Limited (HAL) and Sukhoi Military Aviation Complex plants.

India's Defense Minister A. K. Antony said the agreement heralded a new stage in bilateral co-operation aiming to develop new-generation weapons and military equipment. This will become one of the most ambitious Russian-Indian military programs.

The fifth-generation fighter must retain in-flight stability and control at 90-degree-plus angles of attack. The United States, which faced similar problems, eventually preferred Stealth characteristics and supersonic cruise speeds to super-agility.

The future Russian-Indian warplane would probably out-maneuver any other similar aircraft because the F-22's maneuverability is similar to that of the revamped Su-27 Flanker featuring vectored-thrust engines. This Russian plane features AL-37-FU engines with round rotatable nozzles and can attain supersonic cruise speeds. Its combat efficiency has been enhanced because the Su-27 can bank sharply at high angular speeds and along short trajectories in every plane.

In addition, the fifth-generation fighter will be fitted with advanced avionics, long-range weapons and other radio-electronic equipment for hitting any conceivable target. The Indian electronics industry will provide an invaluable contribution to developing automated electronic counter-measures (ECM) systems, secure data-exchange networks and fire-control systems for long-range tactical missions.

Yury Zaitsev is an academic adviser at the Russian Academy of Engineering Sciences.

Yahoo! for Good helps you make a difference

Ajudando a entender2 - Resenha nacional do acordo Brasil Russia

Posted by: "vinicius morais" vinnauk

Fri Apr 18, 2008 5:57 am (PDT)

Brasil e Rússia assinam acordo tecnológico

Cooperação militar está nos planos dos dois países

http://www.areamili /noticias. aspx?nrnot= 543

Segundo notícias publicadas na imprensa russa, O Brasil e a Rússia, assinaram um protocolo de cooperação tecnológica de âmbito muito alargado, que poderá chegar ao desenvolvimento conjunto de sistemas na área da defesa.

A notícia da cooperação militar terá tido origem no ministro brasileiro dos assuntos estratégicos Mangabeira Unger.

Segundo as mesmas fontes, o ministro brasileiro terá afirmado que a cooperação do Brasil com a Rússia se estenderá à tecnologia de ponta no campo aeroespacial, devendo Brasil e Rússia cooperar no desenvolvimento do veículo brasileiro de lançamento de satélites, especialmente nos sistemas de lançamentos (foguetes).

A divulgação deste acordo de cooperação estratégica, tem sido relacionada com a actual necessidade brasileira de reequipar as suas forças armadas, mas não foi por enquanto efectuada qualquer clarificação nesse campo.

O convénio também prevê a possibilidade de o Brasil vir a cooperar com a Rússia no co-financiamento e desenvolvimento tecnológico em campos que vão da cibernética ao desenvolvimento de sistemas de navegação por satélite.

A Rússia tem planos para desenvolver uma aeronave de quinta geração, conhecida como PAK-FA, capaz de competir com aeronaves norte-americanas como o F-22 ou o F-35 (o primeiro dos quais já está operacional nos Estados Unidos, tendo voado pela primeira vez há dez anos atrás).

O desenvolvimento da aeronave russa tem enfrentado vários problemas e a sua implementação já foi posta várias vezes em causa. Além da Rússia, também a Índia estará interessada no desenvolvimento de uma aeronave de quinta-geração.

Os planos do ministro Mangabeira Unger, no sentido de criar no Brasil industrias de tecnologia avançada que podem ter aplicações no campo militar, constituem uma aposta estratégica do Brasil, para a primeira metade do século.

A participação em projectos de alta tecnologia foi apontada pelo próprio ministro Mangabeira como uma necessidade estratégica do Brasil, mas em declarações relacionadas, o próprio ministro afirmou que o objectivo brasileiro era o de obter independência tecnológica que lhe permitisse desenvolver os seus próprios sistemas.

É no entanto importante frisar que nenhuma informação sobre qualquer escolha de aeronave foi revelada ou sequer sugerida por nenhuma entidade ligada ao ministério brasileiro da defesa ou à Força Aérea Brasileira, o que pode levar a crer que a notícia não está directamente ligada a qualquer decisão político-militar a curto ou médio prazo quanto a futuros sistemas de armamentos a incorporar pelas forças armadas brasileiras.

A divulgação das notícias por parte de um ministro não relacionado com a área militar, leva a considerar que o que estará no futuro em causa, é a possibilidade de o Brasil participar no desenvolvimento de tecnologias que serão aplicadas aos futuros caças russos, como o PAK-FA, mas que o interesse brasileiro estará nas tecnologias e não nas aeronaves russas propriamente ditas.

Esta possibilidade é condizente com os objectivos estratégicos divulgados pelo próprio ministro brasileiro.

Com apoio técnico russo, o Veículo Lançador de Satélites brasileiro deverá deixar de usar dois motores a combustível sólido, aumentando a capacidade de carga em 80% (foto: AEB)

VLS com combustível líquido

http://www.fapesp. br/agencia/ boletim_dentro. php?data% 5Bid_materia_ boletim%5D= 4532

Agência FAPESP - O Veículo Lançador de Satélites (VLS-1) deverá ganhar um novo motor a combustível líquido, que substituirá dois outros que operam com combustível sólido. Com a mudança, com apoio russo, o lançador brasileiro aumentará sua capacidade de carga.

A novidade foi anunciada na semana passada, em Moscou, durante encontro entre Sergio Gaudenzi, presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), e Anatoli Perminov, à frente da Agência Espacial Russa (Roscosmos).

Atualmente, o VLS-1 tem motores a combustível sólido divididos em quatro estágios. Acionados um após a queima do outro, oferecem, nas diferentes fases da trajetória do lançador, o impulso necessário à colocação do satélite no espaço. Segundo a AEB, o que se pretende, com a cooperação técnica russa, é modernizar o lançador com a troca dos dois últimos motores (terceiro e quarto estágios) por um de propulsão líquida.

Com a troca, o veículo poderá levar cerca de 700 quilos de carga útil, contra os 250 quilos atuais, o que corresponde a um aumento de 280%. “O uso de propulsão líquida também permitirá maior precisão na inserção do satélite em órbita”, assinala João Azevedo, diretor de transporte espacial e licenciamento da AEB, em comunicado da instituição.

Segundo Azevedo, a redução da quantidade de estágios simplificará o veículo, diminuindo as chances de falhas ligadas aos diversos eventos que ocorrem durante o lançamento. Além da parceria para o VLS, a Rússia também irá assessorar o desenvolvimento da torre de lançamento que está sendo reconstruída no Centro de Lançamento de Alcântara (CLA).

As negociações do projeto do novo motor, dos equipamentos necessários à sua manutenção e a realização de testes serão iniciadas em 2006 e farão parte de um contrato cuja execução caberá à AEB, Roscosmos e Centro Técnico Aeroespacial (CTA).

A agência brasileira espera que o conhecimento adquirido para o desenvolvimento da próxima versão do VLS origine uma “família de veículos lançadores com capacidade de levar satélites mais pesados a órbitas mais altas da Terra”.

F-X2 com Quinta Geração Russa? Realidades e Perspectivas Quinta-feira, 17 de Abril de 2008 - http://www.defesane blog/

A matéria do Correio Braziliense de 16 Abril 2008, Sócios no Céu e em Órbita, é fruto da ação do lobby russo. A própria leitura da reportagem indica que a realidade está muito longe dos desejos do jornalista.

O poderoso lobby russo articulado em Brasília, que tenta cercar o presidente Luis Inácio, terá de superar muitos obstáculos para ter concretizado a intenção de ter o Brasil como parceiro do PAK-FA. Também caberá ao Ministro Mangabeira Unger ter a origem dos recursos a serem empregados no desenvolvimento do caça. Mesmo que o Brasil entre com um financiamento de 15 a 20 % do Programa PAK-FA, o valor será 3 a 4 Bilhões de dólares, só no desenvolvimento, mais o custo de aquisição das unidades. Acrescentar o custo da formação das equipes de técnicos e engenheiros. Sempre com a incerteza dos resultados de um novo desenvolvimento.

A história pregressa indica que recursos deste montante não sempre incertos no cenário da defesa do Brasil

Brasil faz acordo com Rússia para participar de super caça Ministro para assuntos estratégicos assina documento para Brasil se associar ao projeto do PAK-FA T-50 Hercules Araújo

de: http://airway. site/noticia/ not1657_69. asp

O Brasil vai participar do programa de desenvolvimento do caça de combate PAK-FA T-50, que será fabricado pela Sukhoi nos próximos anos. A aeronave, de conceito stealth, tem a finalidade de se igualar ou ser superior ao caça F-22 Raptor, fabricado pela Lockheed Martin, e que já tem seu primeiro vôo agendado para daqui há dois anos.

A construção da nova aeronave é apenas parte de um amplo memorando de entendimento, negociado em Moscou em fevereiro e assinado ontem pelo ministro de Assuntos Estratégicos, Mangabeira Unger, e pelo secretário do Conselho de Segurança da Federação Russa, Valentin Alekseevitch. O acordo-quadro lança uma ampla cooperação entre os dois países, inclusive de tecnologias consideradas sensíveis.

Ao falar do PAK-FA, Mangabeira destacou que “será um caça de quinta geração”. O custo total previsto é de cerca de US$ 20 bilhões, a ser dividido em cotas entre Rússia, Brasil e Índia, que também participa do programa. O preço unitário, mais baixo que o dos caças europeus de quarta geração, ficará em torno de US$ 80 milhões.

Os aviões de combate de quinta geração, além de stealth, também serão capazes de atingir velocidades supersônicas sem usar a capacidade de vôo com motores ligados em modo pós-combustão, o que reduz o gasto de combustível, amplia o raio de ação e diminui o tempo de engajamento ao inimigo. Atualmente, apenas os norte-americanos possuem aparelhos com essas características em operação, no caso o F-22 Raptor.

O ministro da Defesa, Nelson Jobim, chegou a ver uma demonstração do caça em sua visita aos EUA, mas o aparelho foi descartado por não oferecer transferência de tecnologia.

“Não estamos interessados em comprar bens acabados, mas em parcerias que possam fortalecer a capacidade tecnológica de ambos”, destacou o ministro. Além da Rússia, China e Japão também trabalham em aviões de quinta geração, mas o projeto PAK-FA, que começou há 10 anos, é o que se encontra em estágio mais avançado.

Brasil e Rússia
assinam acordo para construção de foguetes e aviões

da Efe, em Brasília

http://www1. brasil/ult96u392 530.shtml

Os governos do Brasil e da Rússia assinaram nesta terça-feira (15), em Brasília, um acordo de cooperação para o lançamento de satélites e a construção de foguetes e aviões.

O ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, que assinou o documento com o vice-presidente russo do Conselho de Segurança, Valentín Sobolev, disse a jornalistas que a associação, graças a uma sofisticada engenharia, permitirá o desenvolvimento de aviões militares de "quinta geração".

O acordo contempla um "treinamento avançado" na área de cibernética, "essencial para a defesa e a evolução da tecnologia brasileira", destacou Mangabeira.

O convênio também é similar ao assinado com a França para a transferência de tecnologias que permitirão a construção do submarino de defesa "Scorpene", que seria movido a energia nuclear, além de helicópteros e de aviões caça.

Sobolev frisou que, com o acordo, os dois países poderão iniciar "consultas sobre um amplo espectro de questões de segurança" e elevar "o nível das relações" entre as duas nações em relação aos desafios na área de segurança.
Para Sobolev, o Brasil é um país-chave na América Latina. Ainda segundo ele, outra das idéias do acordo de cooperação será a busca de uma alternativa ao GPS (sistema de posicionamento global), controlado pelos Estados Unidos.

EXCLUSIVO: Conhecendo o programa do PAK-FA

(Piotr Butowski)

http://www.revistaa index.php? ASA=show_ news&id=492&LE=atual

O assunto já virou a principal pauta dos maiores veículos de comunicação de temas militares e estratégicos. O Brasil assinou na tarde desta terça-feira, junto com o governo da Rússia, um memorando de entendimento que prevê o desenvolvimento conjunto de um caça supersônico multifuncional de 5ª geração, e também de veículos lançadores de satélites (foguetes). Visando esclarecer os detalhes que envolvem o Programa PAK-FA, ASAS mostra aqui detalhes desse projeto, um dos mais comentados e mais secretos da atualidade.

O T-50 (também conhecido como I-21, Istrebitel 21, do russo “caça do século 21”) está sendo projetado dentro do ambicioso Programa PAK FA (Perspektivnyi Aviatsionnyi Kompleks Frontovoi Aviatsii, Futuro Complexo Industrial de Aviação Tática). Em 26 de abril de 2002, a proposta da Sukhoi foi escolhida pelo Comitê do Governo, na concorrência feita pelo PAK FA; e em outubro de 2004, a Sukhoi apresentou para a Força Aérea da Rússia o design preliminar do caça T-50, o qual foi aprovado apenas dois meses depois.

As autoridades russas vêem no PAK FA um caça que terá a performance do Lockheed/Boeing F-22A, pesando um pouco mais que o Lockheed F-35. Embora o jato mostrado ao lado tenha semelhanças com o Raptor, tem claros sinais de um design da Sukhoi, destacando-se o grande cone de cauda central (mais "achatado", mas tão proeminente quanto o dos Su-34) e as asas (de um formato de "delta duplo", com mudança de ângulo de enflechamento no bordo de ataque; diferentes das asas trapezoidais do F-22).

As linhas gerais do projeto buscam uma aeronave de superioridade aérea multifuncional, ou seja, também capaz de ataques contra alvos de superfície. Nos relatórios oficiais do Sukhoi Desing Bureau, são destacados os principais requerimentos solicitados para o PAK-FA - entre eles, a condição de realizar missões de defesa aérea, de ataques contra alvos em terra e mar, em quaisquer condições meteorológicas; supermanobrabilidad e em situações de baixa velocidade e vôos com elevados ângulos de ataque; baixa “assinatura” para os radares hostis e difícil detecção por sensores eletro-ópticos e infravermelhos; e por fim, capacidade de operar em pistas curtas que, segundo informações não-oficiais, não seriam maiores que 400m de comprimento. O peso máximo de decolagem do futuro caça deverá ser um pouco inferior ao da família Su-30MK (dando, assim, uma idéia de algo em torno de 25 a 30 toneladas). Segundo a Sukhoi e a NPO Saturn, as novas turbinas permitirão ao T-50 ter velocidade
supersônica de cruzeiro, sem uso de pós-combustão (chamada de "supercruise" , hoje só existindo o F-22 com tal performance) .

Os componentes do T-50, como turbinas, aviônicos e sistemas de armas estão sendo feitos por estágios. Primeiramente, a Sukhoi está modernizando os sistemas existentes no mercado, para posteriormente dar início ao desenvolvimento de novos componentes realmente necessários. Deste modo, os protótipos e o primeiro T-50 de produção serão bem parecidos com o caça Sukhoi Su-35 (ou T-10BM), que está em desenvolvimento. Os controles de vôo, aviônicos e cockpit do primeiro T-50 serão os mesmos do Su-35. Assim como as turbinas do Su-35 e dos primeiros T-50 serão as AL-41F1 (117S) de 14.162kfg de potência, versão modernizada da AL-31F, que equipa o Su-27.

Segundo fontes não-oficiais ouvidas por ASAS, é previsto que o T-50 vá fazer seu primeiro vôo em 2009, entrando em serviço em 2015; e recentemente este “cronograma” foi confirmado pelo próprio Mikhail Pogosyan, CEO da Sukhoi, que declarou que o protótipo não deverá voar antes de 2009. Por outro lado, 2012 foi considerado o "prazo máximo" para o primeiro vôo do PAK-FA, estipulado pelo comandante da força aérea russa, general Aleksander Zelin.

A Sukhoi é a principal responsável pelo T-50, sendo que a produção em série deverá ser feita na fábrica da KNAAPO; com outra fábrica, a NAPO, atuando como subcontratada. Segundo o diretor desta última, Fiodor Zhdanov, a NAPO poderá produzir a seção frontal da fuselagem, e o T-50 terá um extenso uso de "plástico de carbono" em sua estrutura.

Programa russo PAK-FA/T-50
Origem do texto: Wikipédia, a enciclopédia livre.
http://pt.wikipedia .org/wiki/ Programa_ russo_Pak- fa_T-50

O Programa PAK-FA T-50, conhecido também como "Complexo Aéreo para as Forças Aéreas Tácticas" em russo, visa construir um caça de quinta geração, para equipar a força aérea russa e talvez uma versão para exportação.
O projeto PAK-FA é a iniciativa russa de construir um caça de Quinta Geração que envolve as três maiores fabricantes russas: Mikoyan, Yakovlev e Sukhoi. “PAK” significa “Perspektivnyi Aviatsionnyi Kompleks Frontovoi Aviatsyi“, ou seja “Futuro Complexo Aéreo para as Forças Aéreas Tácticas”.

O PAK FA deverá substituir os aparelhos MiG-29 e Su-27 ainda em serviço em grandes números na Força Aérea Russa e deverá ter o seu primeiro vôo em finais de 2009, entrando em serviço algures entre 2012 e 2015.

O projeto iniciou-se ainda no final da década de 80, ainda durante a existência da União Soviética e ao desafio do Governo responderam as fábricas Sukhoi com o Su-47 e a Mikoyan com o Project 1.44. Em 2002, o Governo Russo decidiu que a Sukhoi seria a empresa lider que conduziria o projeto e que que definiria a concepção final do aparelho. Foi acertado também que a aeronave a ser desenvolvida deveria incluir tecnologia das duas propostas.

Pouco se sabe do projeto PAK FA, mas é quase certo que deverá incluir tecnologia furtiva, ser muito rápido e capaz de voos "super cruise", deverá ser capaz de operar os mísseis ar-ar, ar-terra e ar-mar mais sofisticados, assim como incluir um radar AESA. A propulsão estará a cargo de um motor AL-41F ou de uma sua variante mais avançada.

A Índia em 17 de outubro de 2007 assinou um protocolo com a Rússia, tornando-se a primeira parceira internacional do programa conforme anunciou O veículo de comunicação russo. [1].

Em 12 de dezembro de 2007, a revista ASAS[2] publicou noticiou que a Rússia teria oferecido ao Brasil a possibilidade de tornar-se parceiro do Programa PAK-FA. No dia 15 de Abril de 2008 foi noticiado que o Brasil assinaria acordo de cooperação multua com a Rússia para desenvolvimento em conjunto de um caça de 5ª geração[3], que possivelmente será o PAK-FA, ou uma versão avançada do SU-27 Flanker com desenho de redução de RCS e maior envergadura com mais trilhos (hardpoints) sob as asas para carregar mais misseis de combates aéreos. Uma noticia nos jornais e no site da Folha de São Paulo[4], mostrou que essa é uma informação verídica e que para meados de 2010 o primeiro protótipo deverá voar nos céus Brasileiros.

[5] [6]

Características gerais (estimada)

* Tripulação: 1 (piloto)

* Comprimento: 22.0 m (72 ft 2 dentro)

* Wingspan: 14.2 m (46 ft 7 dentro)

* Altura: 6.05 m (19 ft 10 dentro)

* Área da asa: m² 78.8 (ft² 848)

* Peso vazio: 18.500 quilogramas (40.786 libras)

* Peso carregado: 26.000 quilogramas (57.320 libras)

* Carga útil: 7.500 quilogramas (16.535 libras)

* Peso de decolagem máximo: 37.000 quilogramas (81.571 libras)

* Powerplant: 2× Saturno-Lyulka AL-41F turbofan

o Seque a pressão: kgf 9.800 (21.605 lbf) cada um

o Pressão com afterburner: kgf 15.500 (34.172 lbf) cada um


* Velocidade máxima: Mach 2.5 na altura (2.527 km/h, 1.586 mph)

* limites de carga G: +10 a +11 ft/s² de m/s² de g (+98.1 a +107.9, +321.7 a +353.9)

* Velocidade do cruzeiro: 1.300 km/h (807.8 mph)

* Alcance: 4.000 a 5.500 quilômetros (2.485 a 3.418 milhas)

* Teto de serviço: 20.000 m (65.617 ft)

* Taxa da subida: 350 m/s (68.898 ft/min)

* Carregamento da asa: 470 kg/m² (96.3 lb/ft²)

* Thrust/weight: 0.84 (ser afterburner)

* Mínimo thrust/weight: Com afterburner: 1.19

* Exigência do comprimento da pista de decolagem: 350 m (1.148 ft)

* Resistência: 3.3 horas (198 minutos)


* 2× canhões internos de 30 milímetros e 8 pontos duros sob as asas (sendo 4 em cada lado do avião).


* Radar: Radar de N050(?)BRLSAESA/ PESA (realce de IRBIS-E) em SU-35

o Freqüência: 3 milímetros (0.118 dentro)

o Diâmetro: 0.7 m (2 ft 4 dentro)

o Alvos: 32 seguiram, 8 acoplados

o Escala: 400 quilômetros (248 milhas)

+ Epr: m² 3 (ft² 32.3) em 160 quilômetros (99.4 milhas)

+ RCS: 0.01 m² em 90 quilômetros (55 milhas)

+ Azimuth: +/-70°, +90/-50°

o Potencia: 4.000 W

o Peso: 65 a 80 quilogramas (143 a 176 libras)

Arquivo do blog