sexta-feira, 31 de agosto de 2007

India to Lease Russian Nuclear Powered Submarine

India to Lease Russian Nuclear Powered Submarine

The Russian Akula Class II attack submarine - of the type India intends to lease as the INS Chakra.

Anonymous has provided details of an article in India Today of August 27, 2007, regarding Defence: Nuclear Submarine. Here’s the long version:

On June 15, 2008, the Indian Navy will commission the INS Chakra, a 12,000-tonne Akula-II class nuclear-powered attack submarine, from the far eastern Russian port of Vladivostok. The submarine, which is being built at a shipyard in Komsomolsk-on-Amur, marks the fruition of a US$650-million seret deal signed by the [Indian National Democratic Alliance (NDA)] government three-and-a-half years ago, which said that India would finance the construction of an unfinished Russian nuclear submarine hull and then lease it for 10 years. The impending acquisition of the Chakra gives India the long-awaited third leg of the nuclear triad—the others being air and land-based nuclear delivery platforms—widely regarded as the most survivable mode of launching nuclear weapons.

“It is the most crucial strategic capability we are acquiring after testing nuclear weapons in 1998,” says strategic analyst Bharat Karnad. Manned by a specially trained Indian crew, the Chakra—named after Krishna’s weapon—will undertake a 15-day passage through the South China Sea, with no port calls, to India, where it will be formally inducted as a component of India’s strategic forces command.

Nuclear submarines use a miniature nuclear reactor, to produce steam, which drives a turbine. Capable of tremendous underwater speed and almost unlimited endurance, they are in fact limited only by the endurance of their crew. The Akula-II submarine’s speed of 35 knots and diving depth of 600 m is twice that of a conventionally powered submarine. “However, a nuclear submarine is much more than just a submarine with a nuclear reactor,” says Rear Admiral (retired) Raja Menon. “It is the arbiter of power at sea,” he adds.

Armed with indigenously built nuclear-tipped cruise missiles (the Sagarika) with a range of over 1,000 km, the Chakra will be a potent addition to India’s strategic arsenal. A need which was felt after the Pokhran tests of 1998 when India enunciated a nuclear doctrine of ‘no first use’ and nuclear forces based on a triad of aircraft, mobile land-based missiles and sea-based assets, to ensure that its nuclear deterrent was “effective, enduring, diverse, flexible, and responsive to the requirements of credible minimum deterrence”. While the road and rail-mobile Agni series missiles afforded the land-based legs of the triad, the focus quickly shifted on inducting submarines armed with nuclear weapons. India’s Advanced Technology Vessel (ATV), a euphemism for a nuclear-powered ballistic missile submarine (SSBN) project initiated in the 1970s was still a decade from induction.

Hence talks on leasing two Akula class submarines—later reduced to one—were begun by the Vajpayee government after the Kargil War [against Pakistan] in 1999. Code-named Project (I), it was part of the three key naval items on the list of the Indian-Russian Inter-Governmental Commission on Military Technical Cooperation initiated by the government in 2002. The other two items on the list were the purchase of the Admiral Gorshkov aircraft carrier, and the lease of four Tu-22M strategic bombers (which has since been cancelled). Funds for the submarine lease were allotted by the Central Government, but never publicised. The deal for leasing the submarine was signed quietly in Delhi in January 2004 along with the Gorshkov deal, during Russian Defence Minister Sergei Ivanov’s visit.

Yet for years, the government denied plans of leasing nuclear submarines. Ivanov, too, consistently denied reports of the lease, but in 2005, the Russian daily Kommersant noted that the unaccounted for spike in the country’s arms export earnings indicated that the lease had been paid up.

The Chakra will soon be joined by the indigenous ATV, under construction at a secret dry dock in Visakhapatnam. Construction of the 5,000-tonne ATV, a modified version of the Russian Charlie-II class is now nearly complete, and will be launched for sea trials next year. It will be inducted into the Indian Navy in 2009. Armed with indigenously developed ballistic missiles (future variants with the three-stage 5000-km range Agni 3), the ATV will mark India’s entry into the SSBN club and will mean the fruition of a long-delayed strategic programme.

[that the ATV will be a modiefied Charlie II is contradicted by information in 1998 on the Bellona website that the ATV would be based on the newer Severodvinsk class attack submarine. “According to Russky Telegraph, the hulls of the submarines laid down in India are almost blueprints of the newest Russian attack submarine, the Severodvinsk-class, which is currently under construction in Severodvinsk, Arkhangel'sk County. Indian submarines reportedly will be outfitted with one PWR reactor with a power output of 190 MW. The same machinery is placed on the Severodvinsk-class submarine”.]

The delays seem to have moved to the Russian side. Originally slated for induction on August 15 2007, the delivery of the Chakra has been delayed by 10 months for the same reasons that delayed the Gorshkov refit in Russia. Earlier this year, Russia escalated the cost of the N sub lease by US$135 million, which was rejected by the Indian Defence Ministry delegation. Ministry officials confirmed the advanced stage of both the lease and the projects and said that the Government was debating on when to bring both the programmes out of the closet.

The lease of the Akula-II submarine—originally slated for the cash-strapped Russian Navy and on which construction had ceased at the Amur shipyard in the 1990s—will make India the world’s sixth power to operate a nuclear submarine. It has only one precedent—the three-year transfer of a Charlie-I class nuclear attack submarine (also named Chakra) from the Soviet Union in January 1988, which took advantage of a loophole in international treaties. The treaties prohibit the sale of nuclear submarines but do not object to a lease, provided the submarines are not equipped with nuclear weapons or missiles with a range of over 300 km. The Chakra will be stripped of its inventory of strategic cruise missiles with a range of 3,000 km, as these violate the Missile Technology Control Regime, but India will not be prevented from equipping the submarine with its own missiles.

The [Chakra which is to be leased for 10-years] —which may be extended later—differs from that of the Charlie-I class submarine in some important aspects. While the latter’s reactor controls and missile launch area were manned by Soviet naval personnel, the new Chakra will be manned entirely by an Indian crew, which is to leave for Vladivostok in December. Nearly 300 Indian naval personnel, or three sets of crews, have already been trained to man the submarine at a specially constructed facility in Sosnovy Bor, a small town near St Petersburg in Russia. All personnel returned after completion of training this year.

Future ATV crews will also be trained on the Chakra, which offers a valuable training platform. “A leased submarine gives you a tremendous headstart in training crews,” says Menon. “It takes several years to produce a crew of nuclear submarine experts like hydroplane operators and watch keeping officers.” The new Chakra will make up for the expertise that was lost when the Charlie-I submarine was returned to the former Soviet Union but also add a strategic platform into India’s inventory.

Sub "Sinks" Brit Carrier

Gotcha! Canuck Sub "Sinks" Brit Carrier

By David Axe EmailAugust 31, 2007 | 6:00:00 AMCategories: Ships and Subs

Hmsillo A Canadian submarine playing war with the British Royal Navy got close enough to kill the HMS Illustrious aircraft carrier. Bill Sweetman over at Ares has the scoop:

Had [submarine HMCS] Corner Brook been a hostile, rather than a participant in NATO's exercise Noble Mariner, taking place in the North Sea and Baltic in May, "Lusty" would have been a matter of seconds away from taking a Mk 48 heavyweight torpedo in what British naval folk technically describe as the Khyber Pass. This came after the RN had issued a press release praising the ship's ability to dominate the battlespace. It is doubly ironic in that Corner Brook is the former HMS Ursula, one of four Upholder-class SSKs built at great trouble and expense by the U.K. and then sold to Canada when the U.K. government decided to standardize on nuclear boats.

This raises an important point, driven home by columnist Robert Smith, a former destroyer captain, in the latest U.S. Naval Institute's Proceedings: "Dominance of the seas inheres in those weapons systems that fly swiftly through the air or can hide in the depths." In light of this, the Navy's plan for building new ships is wrong, wrong, wrong, as illustrated by the massive, $4-billion DDG-1000 destroyer:

USN Riverine Command Boat (RCB)

Safe Boats Awarded Navy Riverine Contract

Monday, July 23, 2007
Safe Boats Awarded Navy Riverine Contract
SAFE Boats International, a U.S. based boat manufacturer, has been contracted to provide a new asset to the United States Navy’s Riverine force. The vessel, designated as the Riverine Command Boat (RCB), is a 49-ft. diesel/jet platform with reconfiguration capabilities that will allow the Navy to convert the vessel’s mission with minimal changes to the base design.

Originally designed by Sweden’s FMV and produced by long time Swedish boat builder, Dockstavarvet, the vessel will now be built in the U.S. by SBI under license from FMV & Dockstavarvet. The boat will be used as a Command and Control platform for the Navy’s Riverine force. Outfitted with the latest in C4ISR equipment, the RCB will have the ability to communicate with other vessels, aircraft and land based assets. The SeaFLIR III IR system and Furuno Navigation package allows for night operations, long range tracking and integration of the navigational equipment.

The RCB weapons capability includes provisions for four individual .50 caliber mounts and a centrally located mount for a stabilized remote control weapons station (ROSAM) with a 360 degree arc of fire. The RCB also has the ability carry and deploy mines and has already been tested and certified to increase fire up to, but not limited to, Hellfire missiles and a gyro-stabilized twin-barrel 12-cm mortar. The twin Scania DI16 850 hp diesel engines coupled to Rolls Royce FF410 waterjets will allow the RCB to run in excess of 40 knots.

Just An Ocean Away

Just An Ocean Away: GBP 30M Refit for Navy's LPH

23-Aug-2007 01:05 | Permanent Link
Related stories: Contracts - Awards, Events, Surface Ships - Combat, Other Corporation, Britain/U.K., Procurement Innovations, Support Functions - Other, Interoperability, Support & Maintenance
(click to view full)

Babcock Marine's Devonport Dockyard has received a GBP 30 million (about $59.5 million) for a major upgrade to the Royal Navy's Plymouth-based helicopter carrier HMS Ocean [LPH 01]. The work is part of the developing Surface Ship Support Alliance, a new contracting approach that was a pre-requisite to approval of the Royal Navy's new 65,000t CVF Queen Elizabeth Class carriers.

The 22,500t HMS Ocean is similar to some of the smaller LHD designs like the 21,300t French Mistral Class. Built to commercial standards, LPH01 carries a crew of 255, an aircrew of 206, and 480 Royal Marine Commandos; an additional 320 marines can be accommodated in a short-term emergency. The ship has capacity for 40 vehicles, but is not designed to land heavy tanks with its 4 Landing Craft Vehicle Personnel (LCVP) Mk 5s. Its main assets are up to 18 helicopters: usually 12 transport (EH101 Merlins, H-3 Sea Kings; H-47 Chinooks can only be refueled and serviced on deck) and 6 maritime/ scout/ attack (Lynx variants, and/or WAH-64D Apache). Secondary ship roles include training, a limited anti-submarine warfare role, humanitarian assistance, and acting as a base for anti-terrorist operations.

Events have forced the ship to remain at sea near more distant shores, however, and on longer voyages than originally anticipated Hence the priority on crew-related modifications. Not to mention some of the other changes…

The year-long refit of HMS Ocean will involve the fitting of new main propulsion shaft sections, extensive improvements in accommodation (including mess-deck dining areas in troop accommodation areas, storage for troop equipment, improvements to the galley and accompanying food storage areas), and an upgrade to the ship's aviation support facilities to improve support to the Army's WAH-64D Apache attack helicopters. Work is expected to start in September 2007 and, the ship is expected to return to service in September 2008 after a set of sea trials.

HMS Ocean participated Iraqi operations near Al-Faw in 2003, and her most recent assignment involved deployment to the Caribbean to counter drug smuggling (see video – at GBP 29 million, the value of seized drugs was about equal to the present refit costs), work with US Marine Corps' HMM-774 "Wild Geese"s and their CH-46E Sea Knight helicopters in a joint training deployment, and offer humanitarian assistance to hurricane victims.

In her absence, Britain's 20,000t escort carrier and fleet flagship HMS Ark Royal will take on HMS Ocean's role, embarking the helicopters and Royal Marines and serving as a less-optimized backup. MoD release.


quinta-feira, 30 de agosto de 2007




Agradeço o honroso convite, que com
muito gosto aceitei, para proferir a alocução comemorativa dos duzentos
anos de nascimento do Patrono da Marinha, Almirante Joaquim Marques
Lis-boa, Marquês de Tamandaré.
O evento dá ensejo a relembrar-se a vida desse grande marinheiro, um dos
cidadãos mais ilustres de seu tempo e da própria história do Brasil. É bem
verdade que, para nós, Tamandaré não é um personagem estranho. Desde cedo
nos acostumamos a contemplar sua imagem estampada nos livros escolares, em
uniforme de gala, o peito coberto de condecorações. Mais tarde, ao
ingressar na Marinha, nos familiarizamos com passagens da carreira, com
seu perfil de chefe consciente e desprendido. Hoje, o bicentenário de seu
nascimento nos propor-ciona a oportunidade de explorar mais uma vez,
contando, agora, com a matu-ridade e a experiência trazidas pelo tempo, o
patrimônio moral e profissional que ele nos deixou.
Tamandaré nasceu na então Vila do Rio Grande, em 13 de dezembro de 1807, e
faleceu no Rio de Janeiro, aos oitenta e nove anos de idade, em 20 de
março de 1897. Viveu, servindo ao país na Marinha, um longo período de
nossa história. Quase todo o século XIX. Um período que viu o nascimento
do Esta-do brasileiro e o despertar do Brasil como nação; sacudido por
movimentos po-líticos internos que ameaçaram a unidade nacional; agitado
por conflitos exter-nos que levaram nossas forças navais às águas do rio
da Prata; marcado, enfim, por circunstâncias e acontecimentos, que, de
uma forma ou de outra, influenci-aram, ou mesmo transformaram, a vida do
país. Não creio que se possa exami-ná-lo satisfatoriamente sem lembrar a
ação de Tamandaré; ou falar de Taman-daré, sem ter como pano de fundo
alguns dos episódios mais relevantes desse período.
A começar pela Independência. A separação de Portugal dava ao Brasil a
condição de construir livremente o seu futuro. Uma das medidas necessárias
à sua consolidação seria a criação de uma Marinha à altura - como dizia
José Bo-nifácio - da "dignidade e grandeza deste Império". Ela foi sendo
organizada. Entre as providências tomadas para guarnecer seus navios foi
promulgado um decreto em que D. Pedro apelava para o voluntariado.
O apelo retiniu no espírito brioso do jovem Joaquim Marques Lisboa. Após
convencer o pai, que pretendia encaminhá-lo à vida comercial, a requerer
seu ingresso na Marinha, foi nomeado, em 4 de março de 1823, com apenas
quinze anos de idade, "para embarcar" - como rezava o documento de sua
nomeação - "na qualidade de Voluntário da Armada, recebendo somente a
ra-ção, a bordo da fragata Niterói". A carreira do futuro Patrono da
Marinha co-meçava no mesmo tempo em que se iniciava a trajetória do Brasil
como um país independente.
Dois meses depois, Marques Lisboa teria seu batismo de fogo em águas da
província da Bahia, no combate naval de 4 de Maio. Mais tarde, com a
reti-rada das tropas portuguesas, participa, a bordo da Niterói, da
perseguição e apre-samento de navios inimigos até a embocadura do Tejo, no
decorrer de cinco meses de cruzeiro.
Terminada a guerra, Marques Lisboa foi matriculado na Academia Impe-rial
da Marinha. Nela permaneceu, no entanto, por apenas cerca de cinco meses.
Atendendo a um pedido do Almirante Cochrane, o Imperador designou-o para
servir na nau Pedro I. A nau suspenderia para o Recife integrando uma
divisão com a missão de bloquear o porto da cidade, onde fora proclamada a
Confede-ração do Equador. A campanha se estendeu às províncias do Ceará,
Maranhão e Grão-Pará. A Pedro I retornou à Corte após um ano e quatro
meses de comissão.
É muito razoável imaginar que essas campanhas - a da Independência e a da
Confederação do Equador - tenham sido para o Voluntário Marques Lis-boa um
verdadeiro ritual de iniciação, a confirmação definitiva de uma
inaba-lável vocação para a vida do mar. Uma vocação dirigida - não creio
que se possa ter muita dúvida sobre isso - para o modelo de oficial de
Marinha que ele podia contemplar todos os dias no tombadilho de seu navio,
a nau Pedro I, represen-tado pela figura legendária de Cochrane. O ainda
adolescente não poderia dei-xar de encantar-se, de render-se à influência
do prestígio e do renome de al-guém, com a história de lutas e serviços,
embalada em uma aura de mito, do Primeiro Almirante do Brasil.
Mas, também, por outro lado, a impressão deixada por Marques Lisboa em
seus chefes não seria irrelevante ou superficial. Muito ao contrário, eles
re-conheceriam naquele Voluntário da Armada as aptidões e o talento dos
grandes marinheiros. Taylor, seu comandante na fragata Niterói, diria, em
despacho ao Ministro da Marinha, que Marques Lisboa prometia "para o
futuro fazer honra à Marinha deste Império". Cochrane, com larga
experiência de vida e das lides navais, poderia garantir ao Imperador que
esse "quase menino é uma das mais promissoras esperanças da Marinha
O então Tenente Marques Lisboa não ficaria muito tempo no Rio de Ja-neiro
após a campanha contra a Confederação do Equador. Um novo conflito se
delineava no sul do continente. Em outubro de 1825, o Congresso das
Pro-víncias Unidas do Rio da Prata - como se chamava, na época, a
Argentina - decretava a incorporação da Cisplatina, que na ocasião fazia
parte do Brasil. O ato equivalia a uma declaração de guerra, e o Governo
imperial responderia a essa provocação ordenando o bloqueio do porto de
Buenos Aires. Um mês de-pois do regresso à Corte, Marques Lisboa se
apresentava em Montevidéu para servir na barca-canhoneira Leal Paulistana.
Os combates e peripécias da Guerra da Cisplatina foram para o jovem
tenente experiências que lhe permitiram pôr à prova o espírito de
iniciativa e a determinação próprios de seu caráter; lições resultantes do
enfrentamento de imprevistos e perigos, que concorreram para aprimorar sua
formação, para a consolidação de um perfil de marinheiro e combatente, que
não deixou de cultivar pelo resto da vida.
Ele participa, na Leal Paulistana, da batalha naval de Corales; e, mais
tar-de, como oficial da Niterói, da batalha naval de Lara-Quilmes. Por
suas qualida-des de inteligência, bravura e sangue frio, conforme então
destacadas por seu comandante, o Capitão-de-Fragata James Norton, foi-lhe
entregue, ainda com dezoito anos de idade, no dia seguinte ao da vitória
de Lara-Quilmes, o co-mando do brigue-escuna Constança.
Participa das duas expedições à Patagônia contra as bases dos corsários
que saqueavam o litoral e navios brasileiros. Na primeira expedição,
graças a uma arriscada manobra com o Constança, recolhe a grande maioria
dos tripulan-tes da corveta Duquesa de Goiás, encalhada e começando a
soçobrar. Prisioneiro com outros brasileiros em um brigue inimigo,
liberta-os num golpe de audácia, e assume o controle do navio. Na segunda
expedição, passa pela experiência da perda do navio em que servia, a
corveta Maceió, levada, pela traição do prático contratado em Montevidéu,
a chocar-se com um banco de areia. Anima e ori-enta os tripulantes da
corveta. Salva-se nadando com outros marinheiros para o brigue Caboclo.
Em Montevidéu, novos desafios o aguardavam. É nomeado comandante da escuna
Bela Maria. Enfrenta o brigue Ocho de Febrero, comandado pelo célebre
Tomás Espora. O combate termina com a captura do Ocho de Febrero. Na
escuna Rio da Prata, que passara a comandar após a Bela Maria ser
recolhida para repa-ros, persegue e aprisiona a galera armada em guerra
Gobernador Dorrego, que ten-tava romper o bloqueio.
Ainda permaneceria, após a assinatura da Convenção Preliminar de Paz entre
o Brasil e as Províncias Unidas, por cerca de dois anos em serviço no
Prata. Seriam ao todo cinco anos de lutas e privações, durante os quais
desenvolveu o discernimento, o equilíbrio e a confiança peculiares aos
grandes chefes navais.
Regressa ao Rio de Janeiro em maio de 1831, ao iniciar-se, com a
abdi-cação de D. Pedro I em favor de seu filho, uma fase de turbulências,
de levantes e insurreições, que punham em xeque a unidade política e
territorial do país. A natureza das lutas em que agora se envolveria já
não era a mesma das guerras da Independência ou da Cisplatina. Já não
teriam como alvo um inimigo externo, mas a pacificação e a recondução das
províncias rebeldes à comunidade política nacional.
Ainda no comando da escuna Rio da Prata, Marques Lisboa participa das
forças que sufocam as revoltas no Recife, em setembro de 1831 - a
Setembri-zada - e em abril do ano seguinte - a Abrilada. Três anos depois,
com a irrup-ção da Cabanagem no Pará, participa, com o brigue Cacique, do
bloqueio do porto de Belém. No entanto, enfraquecido pelas febres do
beribéri contraído na região, é obrigado a deixar o comando do navio e a
seguir para o Rio de Janeiro no palhabote Brasília.
O destino lhe reservava novas surpresas. Ao fazer escala na Bahia, o
Bra-sília é retido pelo movimento que eclodira em Salvador proclamando a
indepen-dência da província. Mesmo doente, Marques Lisboa se apodera de
uma canho-neira sob o controle dos revoltosos, reintegrando-a às forças
legalistas. Com o agravamento da doença, parte para o Rio de Janeiro,
regressando dois meses depois, já curado, a tempo de tomar parte na luta
final que leva à rendição dos chefes da Sabinada.
Em fins de 1838, uma nova revolta, a Balaiada, eclode no Maranhão.
De-signado comandante da força naval em operações contra os balaios, o
Capitão-Tenente Marques Lisboa segue para a província, onde organiza a
defesa de São Luís, atúa com seus navios no bloqueio dos portos e
estuários, na vigilância da baía de São Marcos, no apoio às operações em
terra. Afirma-se como o braço direito político e militar do Coronel Luís
Alves de Lima e Silva, futuro Duque de Caxias, nomeado Presidente e
Comandante Geral das forças legalistas na província
Já Capitão-de-Mar-e-Guerra graduado, iria deparar-se com mais uma
re-volta, a Praieira, ao chegar no porto do Recife comandando a fragata D.
Afonso. Assume, como mais antigo presente, o comando da força naval ali
estacionada. Nos últimos dias do conflito, quando os praieiros derrotados
abandonavam a cidade, dá provas de senso de justiça e humanidade. Impede,
pondo em risco a própria vida, que adversários locais dos praieiros,
tomados por sentimentos de vingança, executassem sumariamente seus
prisioneiros. Na opinião de um historiador, foi mais um "belo ato que
praticou em tão cruenta e triste jornada de nossas contendas civis".
O longo período de nossa história vivido por Tamandaré não foi, contu-do,
apenas de guerras e insurreições. Foi também de grandes mudanças na
eco-nomia do país. O fim do ciclo de lutas internas coincide com o início
de uma fase em que a economia brasileira passa por importantes
transformações. São dessa época, dos anos 1850, as primeiras estradas de
ferro, a instalação de telé-grafos, a criação de uma linha de barcos a
vapor, a formação de novas empresas comerciais e industriais, o impulso
dado à construção naval com os Estaleiros da Ponta da Areia.
A Marinha não ficaria à margem dessas transformações. Nessa época, ela
deixa definitivamente a navegação a vela, atravessa uma etapa
intermediária, ou mista, a vela e a vapor, e entra na era do pleno vapor.
O Capitão-de-Mar-e-Guerra Marques Lisboa teria um papel a desempenhar
nesse processo. Nomea-do, em 1847, para o comando da fragata D. Afonso,
seria o primeiro oficial a co-mandar o primeiro navio de grande porte a
vapor da esquadra brasileira. Inau-gurava, assim, uma nova etapa da
evolução da Marinha, a dos vapores armados em guerra.
No comando da D. Afonso, Marques Lisboa contribuiu para a superação das
restrições que muitos faziam a esses navios. Ao demonstrar suas qualidades
manobreiras no salvamento de passageiros e tripulantes da galera americana
Ocean Monarch, que se incendiava ao largo de Liverpool, e da nau
portuguesa Vasco da Gama, prestes a naufragar sob violenta tempestade nas
proximidades da baía de Guanabara - salvamentos que, na ocasião, tiveram
repercussão inter-nacional - dava argumentos convincentes ao Governo
imperial para a constru-ção de novos vapores.
No final da década de 1850, daria mais uma contribuição à atualização dos
meios flutuantes da Marinha. Já promovido a Vice-Almirante, selecionou os
estaleiros, assinou os contratos e fiscalizou a construção de dez
canhoneiras a vapor na Europa, que, mais tarde, seriam empregadas na
Campanha do Uruguai e na Guerra do Paraguai.
Por essa época, já era tempo de que os serviços por ele até então
presta-dos ao Brasil fossem devidamente reconhecidos. Assim, em março de
1860, foi agraciado com o título de Barão de Tamandaré, nome de um
pequeno porto no litoral pernambucano, na defesa do qual morrera um de
seus irmãos, Manuel Marques Lisboa, combatendo pela Confederação do
Equador. O título foi esco-lhido pelo próprio Imperador D. Pedro II, que,
num gesto magnânimo, dese-jando dessa forma demonstrar sua estima pelo
homenageado, desprezou o fato de que esse irmão, a quem Tamandaré devotava
grande afeição, fora inimigo ferrenho da monarquia.
Os últimos anos de Tamandaré nos conveses dos navios da Marinha te-riam
novamente como cenário a região do rio da Prata, palco, desde o período
colonial, de disputas e controvérsias, reavivadas, em anos mais recentes,
pelo próprio processo de formação dos Estados da região, há pouco tempo
indepen-dentes, politicamente instáveis, irrequietos, quase sempre
envolvidos em litígios com seus vizinhos. Era esse o caso do Uruguai,
mergulhado nas lutas entre o partido blanco, apoiado pelo Paraguai, e o
partido colorado, simpático ao Brasil e à Argentina.
Em abril de 1864, estando o partido blanco no poder, as freqüentes
incur-sões no Rio Grande do Sul, os roubos de gado e ataques às
propriedades de brasileiros estabelecidos no Uruguai, levaram o Governo
imperial a enviar a Montevidéu o Conselheiro José Antonio Saraiva, com a
missão de exigir a puni-ção dos responsáveis e a indenização dos prejuízos
causados aos brasileiros. De acordo com as instruções recebidas por
Saraiva, seriam exercidas represálias ca-so essas exigências não fossem
satisfeitas. O Governo imperial nomeia, ao mes-mo tempo, o Vice-Almirante
Joaquim Marques Lisboa Comandante-em-Chefe das forças navais brasileiras
no rio da Prata.
As negociações entre o diplomata brasileiro e a as autoridades uruguaias
não chegam a um desfecho positivo. Fracassam inteiramente. Saraiva se
retira para Buenos Aires, deixando o Vice-Almirante responsável pelos
interesses brasileiros no país. A ocorrência de novos atos de violência
protagonizados por elementos do partido blanco, levam Tamandaré a declarar
os portos de Salto e Paissandu sob bloqueio. Sitiada por terra pelas
tropas uruguaias do chefe do partido colorado, General Venâncio Flores e
por um grupo de desembarque das canhoneiras, Salto capitula. O assédio das
forças navais, das tropas do General Mena Barreto e da brigada uruguaia de
Venâncio Flores termina com a rendição e a ocupação de Paissandu.
Na seqüência dos acontecimentos, Tamandaré declara o porto de Mon-tevidéu
sob bloqueio, enquanto as forças dos generais Mena Barreto e Venân-cio
Flores avançam por terra sobre a cidade. O Convênio de Paz de 20 de
feve-reiro resulta na ocupação de Montevidéu. O General Venâncio Flores
assume o governo provisório do Uruguai.
Tamandaré, contudo, desaprova os termos do convênio assinado, do lado
brasileiro, pelo Conselheiro José Maria da Silva Paranhos, substituto de
Sa-raiva. Ao expor em ofício ao Ministro da Marinha seu desagrado, mostra
a de-cisão e a firmeza - poder-se-ia dizer, a intransigência - com que
defende, não qualquer tipo de interesse material, mas a própria imagem de
respeitabilidade do Brasil.
Em sua opinião, o convênio não atendia às condições que o Brasil se achava
no direito de exigir. Diz, no ofício ao Ministro da Marinha, que a paz
de-veria assentar-se principalmente na reparação "do último insulto feito
à nossa bandeira", arrastada e enxovalhada, em 9 de fevereiro, pelas ruas
de Montevidéu - ou seja, continua - "na prisão e punição das pessoas que
compunham o Go-verno e de outras altamente colocadas, que planejaram e
puseram em execução essa infâmia".
Inconformado, solicita ao Ministro que apresente ao Imperador o pedido de
sua exoneração. E acrescenta: "se, para obter esta exoneração, for
necessário demitir-me do posto honroso e de tudo quanto tenho adquirido em
minha lon-ga vida militar, não duvido fazer este sacrifício, contanto que
salve a dignidade de meu país e a minha própria".
Apesar das críticas à ação de Tamandaré encaminhadas por Paranhos ao
Governo imperial, o Conselheiro é dispensado da missão que lhe fora
confiada no rio da Prata menos de um mês depois da assinatura do convênio.
O Vice-Almirante é confirmado no cargo de Comandante-em-Chefe das Forças
Brasi-leiras - forças que viriam a tomar parte, agora, em uma longa e
cruenta cam-panha contra o ditador do Paraguai.
De fato, um novo conflito se armava no panorama turbulento da bacia
platina. O Presidente Solano López proibira a navegação dos navios de
ban-deira brasileira nas águas fluviais do Paraguai. Mandara aprisionar o
navio mercante brasileiro Marquês de Olinda. Em dezembro de 1864, declara
guerra ao Brasil e, poucos dias depois, desencadeia o ataque ao forte da
Nova Coimbra, no sul mato-grossense.
A invasão da província argentina de Corrientes por Solano López leva à
assinatura do Tratado da Tríplice Aliança pelo Brasil, Argentina e
Uruguai. Es-crupuloso na defesa dos direitos e da soberania do Brasil,
Tamandaré também não veria com bons olhos esse tratado. Ele concedia ao
Presidente Mitre, da Argentina, o comando supremo das forças aliadas.
Deixava o Brasil - dono de um volume de recursos muito maior, e o único
dos três países a possuir uma es-quadra capaz de enfrentar a do agressor -
em situação de dependência e, de certa forma, subalterna.
Graças à sua intervenção, a esquadra brasileira foi excluída dessa
subor-dinação; mas as discordâncias entre os generais brasileiros e o
Presidente Mitre viriam, mais tarde, a justificar seu descontentamento.
Como aconteceu no sítio de Uruguaiana.
Nessa ocasião, o Vice-Almirante e o General futuro Conde de Porto Ale-gre
resistem - e nessa resistência são bem sucedidos - à entrega do comando de
nossas forças, dentro do território brasileiro, a alguém que, embora fosse
amigo, tinha a seu cargo os interesses de outro país. Como diria Tamandaré
em ofício ao Ministro da Guerra: "Seria um absurdo, uma indignidade
monstruosa, sujeitarmos nossas forças de uma maneira tão completa a um
general estran-geiro, que não pode nem deve dispor do sangue brasileiro e
de nossos recursos a seu arbítrio".
Os fatos relativos à ação das forças navais sob o comando de Tamandaré são
bem conhecidos de todos nós. Ele concebe o plano de campanha. Declara o
bloqueio dos portos inimigos. Após a vitória em Riachuelo, concentra-se no
apoio à esquadra desgastada pela batalha. Insiste com o Governo imperial
na necessidade de contar com navios encouraçados - que, aos poucos, vão
sendo incorporados à esquadra - para enfrentar as poderosas fortalezas às
margens do rio Paraguai..
Em Uruguaiana, dá-se a rendição dos paraguaios e a retomada da cidade, que
os chefes aliados queriam bombardear, sendo, no entanto, frustrados em seu
intento pela oposição de Tamandaré e Porto Alegre, desejosos de evitar uma
maior perda de vidas, de restringir os danos morais e materiais sofridos
pe-la população civil da cidade.
Uma vez libertada Uruguaiana, Tamandaré segue com a esquadra para a
confluência dos rios Paraná e Paraguai, área escolhida para a penetração
em ter-ritório paraguaio. O bombardeio naval do forte de Itapiru e das
trincheiras inimigas em Passo da Pátria, seguido do desembarque das tropas
do General Osório, dão início à invasão. Poucos meses depois, os navios da
esquadra so-bem o rio Paraguai e atacam o forte de Curuzu. O exército de
Porto Alegre desembarca e após renhidos combates apodera-se do forte.
O próximo passo em direção a Assunção seria a tomada de Curupaiti. Os
navios bombardeiam as trincheiras paraguaias, mas o forte responde com
inten-so poder de fogo, atingindo os navios brasileiros. O Vice-Almirante
vai de na-vio em navio, em frágil embarcação miúda, em plena zona de fogo,
incentivar e orientar seus comandantes. No entanto, diante da resistência
do forte e das bai-xas nas fileiras aliadas, o presidente argentino, no
comando das forças terrestres, ordena a suspensão do ataque a Curupaiti.
Curupaiti representou para Tamandaré o término de sua atuação, por dois
anos e quatro meses, à frente de nossas forças navais nas campanhas do
Uruguai e Paraguai. Debilitado pelo esforço exigido pela guerra, doente,
des-contente com a conduta de Mitre, já escrevera ao Ministro da Marinha,
antes mesmo do ataque a Curupaiti, solicitando licença para ir ao Rio de
Janeiro tratar da própria saúde.
Algum tempo depois, a licença é concedida. Em dezembro de 1866, pas-sa o
comando ao futuro Visconde de Inhaúma. Chega ao Rio de Janeiro em
fe-vereiro do ano seguinte. Toma conhecimento, então, de que fora
promovido a Almirante.
O futuro Marquês - ele seria elevado a esse grau nobiliárquico em maio de
1888 - já não viria a exercer cargos efetivos na Marinha. Não deixaria,
po-rém, de acompanhar, mesmo de longe, a Guerra do Paraguai, em cuja fase
ini-cial tivera um papel proeminente; e de interessar-se pelas coisas da
Marinha, de cujos membros tornara-se alvo de verdadeira veneração. Foi
nomeado Ajudante de Campo do Imperador e, mais tarde, Ministro do Supremo
Tribunal Militar de Justiça, atual Superior Tribunal Militar, onde serviu
por longos anos, sendo exonerado do cargo após insistentes pedidos
formulados ao Ministro da Ma-rinha, em 1891, aos 83 anos de idade.
Já afastado do serviço ativo e de funções na vida pública, também não se
mostraria indiferente a acontecimentos que, nos últimos anos de sua vida,
mu-davam a face política e social do Brasil. Não se absteria de aprová-los
ou conde-ná-los. A presença deles em seu espírito se refletiria, por
exemplo, nas instru-ções que, sentindo com certeza aproximar-se o fim de
seus dias, redigiu para o seu sepultamento.
Um desses acontecimentos foi a Abolição da Escravatura. Sua visão do fato
é transparente nas instruções. Assim, ele exigia que seus restos mortais
fos-sem conduzidos para a sepultura "por meus irmãos em Cristo que hajam
obtido o foro de cidadãos pela Lei de 13 de Maio". Isso prescrevia como
"prova de consideração a essa classe de cidadãos em reparação à falta de
atenção que com eles se teve, pelo que sofreram durante o estado de
escravidão", e como "reve-rente homenagem à Grande Isabel Redentora,
benemérita da Pátria e da Huma-nidade, que se imortalizou libertando-os".
Outro acontecimento referido nas instruções foi a morte de D. Pedro II no
exílio, dois anos depois da Proclamação da República. Ao senso de justiça
e solidariedade humana, que o levavam a aplaudir a Abolição, alia
sentimentos de respeito e amizade pelo Imperador deposto. Por isso, não
desejava que em sua morte fossem-lhe prestadas honras militares. Ora -
argumentava - se a nação não havia "prestado honras fúnebres de espécie
alguma por ocasião do fale-cimento do Imperador" ... "a nenhum homem de
seu tempo se poderá prestar honras de tal natureza sem que se repute ser
isso um sarcasmo cuspido sobre os restos mortais de tal indivíduo". O
estilo direto e franco, sem rodeios, modula o protesto que a lealdade ao
soberano e o apreço pelo amigo não lhe permitiam esquecer ou omitir.
E vai mais longe na expressão de seus sentimentos, ao proibir a deposi-ção
de flores, coroas ou enfeites sobre o caixão. Seu patriotismo admitia, no
entanto, uma exceção: "só a Comenda do Cruzeiro que ornava o peito do Sr.
D. Pedro II em Uruguaiana, quando compareceu, como primeiro dos
Volun-tários da Pátria, para libertar aquela possessão do jugo dos
paraguaios". Mani-festam-se, nessa exceção, a alma do guerreiro, o brio e
a altivez que tantas vezes demonstrara em vida.
A simplicidade e o pouco caso por honrarias se confirmam no último item
das instruções: "Como homenagem à Marinha, minha dileta carreira, em que
tive a fortuna de servir à minha Pátria e prestar alguns serviços à
Huma-nidade, peço que sobre a pedra que cobrir minha sepultura se escreva:
Aqui Jaz o Velho Marinheiro".
Desse documento, escrito do próprio punho, projetam-se alguns traços do
caráter e da visão do Almirante sobre o Brasil de sua época. Ele reflete
pon-tos do pensamento de um cidadão que viveu de perto a história do país.
Partici-pou de quase todas as lutas da época, internas e externas. Esteve
presente nos momentos mais cruciais do primeiro século da existência do
Brasil independen-te. Alguém, que, por seus atributos pessoais foi capaz
de conquistar, ainda em vida, de uma forma que poucos brasileiros
conquistaram, o respeito e a admira-ção de seus contemporâneos. Os jornais
do dia seguinte ao de sua morte não deixariam de expressar tais
Tamandaré foi um "exemplo vivo do mais acrisolado amor da Pátria e a prova
mais evidente do que podem o brio e a bravura" - dizia a Gazeta de
A Notícia afirmava: "O nome deste velho servidor da nossa Pátria
cons-titui um patrimônio dos mais honrosos para ela e um padrão de glória
para a nossa Marinha Nacional".
O Jornal do Brasil comentava: Tamandaré "foi um daqueles que tiveram a
justa satisfação de se verem consagrados nas bênçãos da Pátria e que se
sentem imortais em vida".
Diz Gustavo Barroso, que o povo "de todos os matizes, posições e
ida-des"..."em profundo e comovido silêncio"..."olhos pregados no chão"
encheu as ruas por onde passou o cortejo fúnebre do Velho Marinheiro rumo
ao cemi-tério do Caju.
Os elogios publicados nos jornais não eram gratuitos, nem uma simples
formalidade. Justificavam-se pelos serviços que Tamandaré prestou ao
Brasil. É bem verdade que ele não foi o vencedor de uma grande batalha
decisiva. Não foi o criador de uma concepção estratégica naval singular ou
inovadora. Não se imortalizou por uma façanha única e grandiosa, que
mudasse as tendências mais profundas da história. Mas destacou-se, foi
capaz de conquistar as "bênçãos da Pátria", pela força de seu caráter,
pela coerência e a firmeza de atitudes, que, sobrepostas às qualidades de
notável marinheiro e chefe competente, ponti-lharam e fizeram de sua vida
um contínuo harmonioso de atos de nobreza e destemor.
Poder-se-ia alegar, certamente com malícia ou segundas intenções, a
exemplo de alguns dos desafetos que a inveja ou o despeito lhe destinaram
na vida, que suas atitudes derivavam de impulsos do momento, alheios a
princípios e critérios - como se a coragem pudesse confundir-se com a
imprudência, ou o desprendimento com insensatez. Nada mais longe da
verdade. Um rol de valo-res morais, dando lustre e consistência a uma
visão do mundo, parece ter-lhe servido de guia e inspiração.
A procedência dessa suspeita fica evidente quando nos debruçamos so-bre os
ensinamentos que transmitiu a um Aspirante da Escola Naval, registra-dos
nas anotações deixadas pelo historiador Comandante Oliveira Bello. Vale a
pena despender alguns minutos a relembrá-las, pois elas nos revelam as
moti-vações mais profundas de seu comportamento, as bases de seu modo de
pensar e interpretar a vida.
Dizem as anotações que, já idoso, em uma de suas costumeiras visitas à
Escola Naval, um dos alunos lhe pediu que lhe falasse sobre a sua
concepção da honra. A explicação então formulada é muito simples e
objetiva. Para Taman-daré, a honra é uma espécie de energia vital,
peculiar a cada indivíduo. Como se lê, logo no início da fala: "é a força
que nos impele a prestigiar nossa persona-lidade. É o sentimento avançado
de nosso patrimônio moral, um misto de brio e de valor".
Em seguida ele enuncia os dois requisitos que considera indispensáveis à
sustentação desse "sentimento avançado". O primeiro se refere ao
entendimen-to e conseqüente adesão do indivíduo a certos valores morais. A
honra, ensina Tamandaré, "exige a posse da perfeita compreensão do que é
justo, nobre e respeitável, para elevação da nossa dignidade". Para ele,
portanto, a dignidade do indivíduo não se dissocia nem prescinde do
comportamento pautado na observância desses valores; não pode estar
desvinculada da opção por tudo aquilo que é "justo, nobre e respeitável".
Já o foco do segundo requisito é a disposição ou atitude que se espera de
quem cultiva a honra. Ela exige, diz Tamandaré, "a bravura para
desafrontar perigos de toda ordem, na defesa da verdade, do direito e da
justiça". A honra, portanto, contempla objetivos - a verdade, o direito e
a justiça - para a preva-lência dos quais a bravura é imprescindível. Ela
perde o seu valor, desvanece, não subsiste sem a bravura. .
Ao expor ao aluno da Escola Naval sua visão da honra, Tamandaré nos revela
o sentido que atribui à vida. Creio não estar exagerando, ao afirmar que
nesse sentido da vida se encerra o fulcro da vontade e da animação de toda
uma existência dedicada ao serviço do Brasil. E, se examinarmos com um
pouco mais de atenção suas palavras, veremos que nele se articulam os
elementos es-senciais de um projeto de vida.
Objetivos do projeto: a verdade, o direito e a justiça. Meio para alcançar
os objetivos: a honra, que, de certa maneira, se confunde com a dignidade
do indivíduo. Natureza desse meio: uma força, um sentimento avançado.
Requi-sitos para a sua operação: a perfeita compreensão dos valores que
norteiam a sociedade - o que é justo, nobre e respeitável - e a bravura
para enfrentar pe-rigos no caminho dos objetivos.
Mas não termina aí a lição ministrada pelo Almirante ao Aspirante. Ele
ainda lhe diz alguma coisa sobre o grau de importância que deve ser
conferido à honra. E, nesse ponto, o desapego a bens materiais e o sentido
de missão que impregnaram sua vida aparecem em toda a plenitude. "Esse
sentimento [a honra]" - diz o Almirante - está acima da vida e de tudo
quanto existe no mundo, porque a vida se acaba na sepultura, os bens são
transitórios, enquanto que a honra a tudo sobrevive".
Nada mais importante que a honra. Sem ela, ele se sentiria desarmado,
desprovido da força, das reservas morais que necessita para enfrentar os
perigos no caminho da verdade, do direito e da justiça. E, se a
expectativa de atingi-los se dissipa, tudo perde o seu valor. O caos se
instala. Sem a honra, não pode atingir os fins, e sem atingir os fins tem
de reconhecer o fracasso da missão a que se propôs na vida.
As palavras de Tamandaré nos levam a uma breve reflexão. Afinal de contas,
nelas não se combinam os traços mais salientes do perfil do herói? O herói
não se distingue dos homens comuns por um esforço corajoso e altruísta de
superação de tudo aquilo que é falso, opressivo, injusto? Não simboliza a
capacidade latente em todo ser humano de orientar o seu destino, mesmo que
às custas, como no mito de Prometeu, do sacrifício da própria vida, na
busca da sabedoria ou do poder para servir aos outros - ou, ainda, como no
caso do Al-mirante, da honra, para investir na construção de uma pátria
que deseja ali-cerçada na verdade, no direito e na justiça?
Não creio que se possa contestar o fato de que, em Tamandaré - não só por
suas palavras, que poderiam não ser coerentes com a ação, mas, sobretudo,
pelas atitudes que assumiu na vida - encarnam-se alguns dos atributos mais
dig-nificantes do herói. Alguém que não viveu apenas para si, mas
empenhou-se em perseguir o bem de todos, apesar dos danos e incompreensões
a que pudesse estar sujeito trilhando esse caminho.
E, não é difícil concluir de sua vida, que, para ele, o bem de todos tem
como premissa a grandeza da nação. Não qualquer tipo de grandeza,
artificiosa e vã, arrogante e impositiva, mas a que tem raízes na
independência, na soberania, na unidade política e territorial do país, na
conquista do respeito e da amizade das demais nações. Dentro dessa moldura
política, da qual afloram a consciência e o sentimento de nação, é que
existiriam condições para o progres-so e a felicidade do Brasil.
E é no serviço da Marinha, no qual se engaja de forma consciente e ao
mesmo tempo apaixonada - fosse a bordo da fragata Niterói, nas lutas
internas ou nas guerras do Prata e da Tríplice Aliança - que encontra o
campo propício para dedicar-se à promoção dessa grandeza.
Uma dedicação que, talvez, ninguém melhor do que o Almirante Jace-guai
interpretaria, ao observar, em suas Reminiscências da Guerra do Paraguai,
que a todos os predicados que elevavam Tamandaré "juntava-se o de ser
feliz". Uma felicidade - podemos com toda a certeza imaginar - nascida de
uma vocação plenamente satisfeita, de um caráter em perfeita sintonia com
a vida na Mari-nha, por maiores que fossem - ou talvez até por isso mesmo
- os contratempos e riscos que tivesse de enfrentar. No mar e na Marinha,
ele estava de bem com a vida. E Jaceguai remata o retrato de seu antigo
chefe frisando que o fato de "ser feliz" não seria predicado a
desprezar-se "na escolha dos homens que devem dirigir empresas
Poder-se-ia julgar, à primeira vista, que Tamandaré nada tenha a nos
di-zer sobre o tempo presente, sobre o tempo que vivemos. Muito diferente
do atual foi o período de nossa história que ele viveu. Um período que
assistiu à consolidação do Estado brasileiro e aos primeiros passos da
formação da nacio-nalidade. Duzentos anos depois de seu nascimento, são
outras as questões que nos afligem, as aspirações que acalentamos, o
panorama político que baliza a presença do Brasil no cenário mundial.
Mas, na verdade, se ele tem alguma coisa a nos dizer, pouco importa o
tempo que nos separa dos dias de sua vida. Tamandaré é parte da história,
e ela não se reduz a uma simples narrativa, estéril e descomprometida, de
fatos en-terrados no passado, destinados a jamais se repetirem. A história
é também uma explicação. Uma explicação da vida e dos atos humanos, das
circunstâncias e motivos que os levam a consumar-se. Como, aliás, já
observara um dos maiores historiadores do século XX, o francês Fernand
Braudel: "O verdadeiro objetivo da história não é, talvez, o passado -
esse meio - mas o conhecimento dos homens".
Pois bem, se a história nos ajuda a entender os fundamentos e o sentido da
conduta dos homens, podemos afirmar que o Velho Marinheiro tem muita coisa
a nos dizer e a ensinar sobre o tempo presente. Um tempo de incertezas e
apreensões, de acentuadas transformações na política e na economia, na
cultura, no campo da tecnologia. Um tempo em que nos dispomos a construir,
apesar dos desenganos e, até mesmo, do desalento que às vezes nos assalta,
a nação li-vre, justa e solidária de que nos fala a Constituição.
Por isso mesmo, Tamandaré nos surge do passado como exemplo e fon-te de
inspiração. Um passado no qual nos deparamos com momentos de sua vida em
que as atitudes sobranceiras e a altivez de seu caráter se destacam. Em
outros, a coragem física e moral, a determinação e a força de vontade
pontifi-cam. Continuando a exploração, a generosidade, a consideração
pelos mais fra-cos, a convicção com que defende princípios e valores, a
confiança nos destinos do Brasil, ficam mais do que patentes.
Tamandaré nos legou um patrimônio moral de dignidade profissional, de
virtudes militar e marinheira, de amor ao país em que nasceu. Um
patrimônio acumulado no decorrer dos muitos episódios que marcaram, no
século XIX, a presença da Marinha em nossa história. Um patrimônio que nos
instiga a reno-var e afirmar nossa fé no futuro do Brasil como nação. Uma
nação não se constrói no vazio, não amadurece sem ter à vista os exemplos
de nobreza e integridade dos grandes vultos de seu passado. Não seria,
enfim, pela falta de heróis, como aquele cujo bicentenário de nascimento
ora celebramos, que essa fé poderia extinguir-se.

quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Brazilian Navy submarine Tikuna (S 34) enters Mayport Basin during her first visit to a U.S. Navy base, sponsored by U.S. Naval Forces Southern Command (NAVSO). 070720-N-5677B-005 MAYPORT, Fla. (July 20, 2007) - Brazilian Navy submarine Tikuna (S 34) enters Mayport Basin during her first visit to a U.S. Navy base, sponsored by U.S. Naval Forces Southern Command (NAVSO). NAVSO sponsors foreign military visits to promote relations with partner nations in Latin America to support Theater Security Cooperation. U.S. Navy photo by Mass Communication Specialist 2nd Class Holly Boynton (RELEASED)

Brazilian Sub Visits Mayport on First Deployment to U.S.
Story Number: NNS070824-07
Release Date: 8/24/2007 9:53:00 AM

By Mass Communication Specialist 2nd Class (SW) Holly Boynton, U.S. Naval Forces Southern Command Public Affairs

MAYPORT, Fla. (NNS) -- Brazilian submarine Tikuna (S 34) visited Mayport during its first deployment to a foreign country Aug. 3-13.

Tikuna, homeported at Base Almirante Castro e Silva, Mocangue Island, near Rio de Janeiro, deployed from Brazil on May 27 to participate in several training exercises.

Units from Canada, England, France and Peru worked together with Tikuna and the U.S. Navy to train in anti-submarine warfare. Tikuna participated in the following exercises: Composite Training Unit Exercise; Antisubmarine Warfare Exercise; and joint-service Exercise Valiant Shield 2007, which included Harry S. Truman and Dwight D. Eisenhower Strike Groups, along with British carrier HMS Illustrious (R06).

“Tikuna and the Brazilian Navy continue to be invaluable maritime partners in the U.S. Southern Command area of responsibility,” said Commander, U.S. Naval Forces Southern Command (NAVSO) Rear Adm. James W. Stevenson Jr. “Having the submarine and its crew visit Mayport and the Jacksonville area in between training events are great for everyone involved. We get a chance to see this state-of-the art submarine and meet the crew, and they are able to enjoy our great community. This strengthens an already strong relationship.”

During their port visit, Tikuna’s crew participated in a variety of events, including several soccer games and a visit to USS The Sullivans (DDG 68).

Brazilian Navy Cmdr. Marco Malschitzky, NAVSO Brazilian Navy foreign liaison officer, joined Tikuna’s crew during their visit.

“It was a great opportunity to integrate both crews and talk with the host ship’s crew members,” said Malschitzky.

Only two years old, Tikuna is the newest addition to the Brazilian submarine fleet and the fourth submarine built in Brazil. Tikuna proudly displays a commissioning plaque, which states “Built in Brazil, by Brazilians.” Tikuna will return to Brazil in October after a port visit to San Juan, Puerto Rico.

Also while in Mayport, Tikuna garnered media attention from its home country. Carlos Lima, a freelance reporter, visited the submarine and its crew for an article in the Brazilian Web magazine "Base Militar." A native of Rio de Janeiro, Brazil, Lima stated his pride for his country’s navy, and especially Tikuna.

“She’s our new baby. Our magazine has covered all the stages of being built; it feels like a cycle is complete to see her here at a U.S. Navy base,” said Lima.

domingo, 26 de agosto de 2007

Terrorisme : Quand le Suffren et la Rance font barrage au porte-avions Charles de Gaulle

Terrorisme : Quand le Suffren et la Rance font barrage au porte-avions Charles de Gaulle

Voir le diaporama

Afin de protéger le porte-avions Charles de Gaulle, immobilisé à Toulon pendant plus d'un an pour son premier grand carénage, la Marine nationale a trouvé une utilité à deux de ses anciens navires. Les coques de l'ex-frégate Suffren et du bâtiment de soutien santé Rance ont été disposées devant l'entrée du bassin où le porte-avions nucléaire est entré le 31 juillet. La Rance a été amarrée contre le bateau-porte et le Suffren à quelques dizaines de mètres sur l'avant, l'ensemble étant ceinturé par un barrage flottant. Cette disposition permet d'assurer une double-protection du navire amiral français contre les curieux et, surtout, contre une éventuelle attaque terroriste venant de la mer.
Quatrième unité d'une série de cinq bâtiments de soutien mobiles construits à Lorient, la Rance a été livrée en 1966 et désarmée en 1997. Ce navire était spécialisé dans le soutien santé, avec un bloc chirurgical et un hôpital embarqué. Sistership du Duquesne, retiré du service opérationnel en juin, la frégate lance-missiles Suffren a, quant à elle, cessé son activité en 2001, après 34 ans de service. Le Forbin, qui prendra sa relève, est attendue à Toulon l'année prochaine. La frégate de Défense aérienne, dont la mise au point a pris 18 mois de retard, doit mener une nouvelle campagne d'essais en mer à l'automne.

sábado, 25 de agosto de 2007

Por que o Brasil precisa de defesa

ISTO É 27/08/2007

Por que o Brasil precisa de defesa
Depois de anos de descaso, governo prepara um plano para reaparelhar as Forças Armadas com equipamentos e tecnologia nacionais. Mas a prática de comprar "caixas-pretas" sobrevive


O futuro
O rearmamento da América do Sul
Submarino nuclear made in Brazil

As duas decisões são estratégicas para o País, mas são contraditórias e a tendência do governo é aprovar as duas, esquizofrenicamente. Nos próximos dias, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva deve convocar uma reunião secreta do Conselho de Defesa Nacional para examinar o Plano de Reaparelhamento das Forças Armadas. O projeto prevê investimentos de R$ 5,5 bilhões até 2011, só em equipamentos, a maior parte com tecnologia e produção nacionais. “Reaparelhamento não me parece o termo adequado; é aparelhamento”, diz o ministro da Defesa, Nelson Jobim. Ao Exército, serão destinados R$ 2 bilhões, principalmente para a compra de blindados sobre rodas. A idéia é incentivar a criação de uma nova indústria de carros de combate, como a falecida Engesa dos anos 70 e 80. Para a Marinha, irá R$ 1,5 bilhão, destinado prioritariamente à construção de nosso primeiro submarino nuclear, a ser lançado em 2013. A Aeronáutica vai abocanhar outros R$ 2 bilhões para adquirir – e depois produzir aqui mesmo, em parceria com a Embraer –, caças de última geração, como o francês Rafale. Mas ao mesmo tempo, o governo vai comprar, por US$ 180 milhões, 12 helicópteros de ataque russos Mi-56. A compra deve ser assinada na próxima semana pelo comandante da Aeronáutica, tenente-brigadeiro Juniti Saito. Em troca, a Rússia comprará carne e frango do Brasil. A contradição está justamente nisso: não haverá nenhuma transferência de tecnologia para o Brasil.

A Força Aérea não queria os helicópteros russos, entre outras coisas porque eles não têm garantia de manutenção. A intenção da FAB era encomendar os novos helicópteros à indústria Helibrás, que já fabrica no País os Esquilo de uso civil, sob licença da Eurocopter. A Aeronáutica negociava com os europeus a transferência de tecnologia para a Helibrás produzir também o Cougar e o Pantera por aqui. Então por que o Brasil está comprando os Mi-56 russos? Porque, em fins do ano passado, o então ministro do Desenvolvimento, Luiz Fernando Furlan, negociou um escambo comercial com o governo de Vladimir Putin. Os russos abriram o mercado para a importação de frango e carne brasileiros. Como contrapartida, Furlan comprometeu-se a comprar equipamentos militares russos. Originalmente, eram 40 helicópteros, 12 Mi-35, de ataque e 28 Mi-171, de transporte. O Planalto tentou empurrar o pacote para o Exército; não teve êxito e a Aeronáutica teve que ficar com o embrulho. Os militares ainda conseguiram barrar os de transporte e ficaram só com os de ataque. De qualquer forma, essa é uma decisão completamente oposta à idéia de reaparelhar as Forças Armadas através do fortalecimento da indústria bélica brasileira.

Exército, Marinha e Aeronáutica vivem uma situação de total incúria. Gastam pouco, gastam mal e o que têm está sucateado. No final da década de 80, o Brasil tinha uma das indústrias bélicas mais pujantes do mundo; hoje, algumas delas, como a Engesa – fabricante dos blindados Urutu e Cascavel –, faliram; outras não têm como atuar. A Mectron, fabricante dos mísseis Piranha, tem o protótipo de um dos mais modernos radares de baixa altura do mundo, o Orbisat, mas, como não tem encomendas militares, vive a bisonha situação de sobreviver da fabricação de fechaduras e capacetes para empresas de segurança. A Avibrás, pioneira na pesquisa espacial, hoje não tem recursos (nem encomendas) para tirar da prancheta os mísseis de precisão que seus engenheiros ainda concebem. Das primeiras indústrias militares, sobrou inteira somente a Embraer – mas porque pôde se reinventar na aviação comercial. E a Imbel, fabricante de armas leves, hoje vive de vender pistolas. Aguarda uma encomenda do Exército de 175 mil fuzis 5.56, que vão substituir os velhos FAL. “A Imbel, como as demais, tem que ser encarada como uma indústria estratégica”, diz o general Darke Nunes, chefe do Departamento de Ciência e Tecnologia do Exército.

A modernização das Forças Armadas é necessária não porque exista algum inimigo do Brasil à espreita, mas porque é estratégico para nossas ambições futuras. Na maior parte dos países emergentes, gasta-se em média 8% do PIB com defesa. O Brasil, que já gastou 7%, hoje destina 1,8%, a menor porcentagem da América Latina. O Chile gasta 10%. “O orçamento do Exército brasileiro é menor do que o das Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia)”, ironiza um oficial. Da parte que cabe ao Exército, nada menos que 82% são consumidos com salários; o resto é para custeio e investimentos. “Hoje não temos artilharia sequer para defender o complexo industrial de São Paulo ou nossas hidrelétricas”, lembra Nelsimar Vandelli, coordenador do Centro de Atividades Externas da Escola Superior de Guerra.

Estrategistas dizem que é temerário aferrar-se à velha tese de que somos um povo pacífico e não estamos sob ameaça – e que, portanto, não precisamos de Forças Armadas. Alguns lembram o rearmamento da Venezuela e o conflito com a Bolívia, mas a maioria vê ameaças mais sérias e menos evidentes. A Amazônia, que detém 20% da água potável do planeta e esconde outro tesouro sob a forma de minerais, já está sendo atacada de forma silenciosa por ONGs estrangeiras, que difundem a idéia da internacionalização da floresta. “Chegará o momento em que organismos internacionais vão construir a tese de que não sabemos cuidar da Amazônia e que, para o bem da humanidade, exércitos estrangeiros precisam intervir”, diz um membro do Alto Comando do Exército. Na plataforma continental, chamada de Amazônia Azul, a Marinha não consegue vigiar a pesca predatória estrangeira. “Também é no mar que estão 85% do nosso petróleo”, lembra Saturnino Braga, ex-presidente da Comissão de Defesa do Senado. E se as plataformas da Petrobras forem atacadas por terroristas? “Por isso é preciso ter Forças Armadas bem equipadas e treinadas.”

A Marinha, aliás, atravessou décadas de uma situação inusitada. Parte do almirantado defendia uma armada de ataque, baseada em porta-aviões. Outra facção queria uma marinha dissuasória, com submarinos – de preferência nucleares. A força apostou nos dois caminhos e hoje tem um poder capenga. Agora, o governo decidiu investir na conclusão do submarino nuclear. Pouco antes, a Marinha optara por encomendar à Alemanha um submarino U-214, convencional, sob o argumento de dar continuidade ao U-209, modelo dos cinco submarinos atuais. Ainda não existe nenhum exemplar do U-214 em operação; o primeiro, entregue à Grécia em 2006, apresentou tantos defeitos que a Marinha grega recusou seu recebimento. O pior é que está em curso uma operação para adquirir o sistema de armas do submarino – o software que determina todo o tipo de armamento que um submarino poderá utilizar. É uma “caixa-preta” fornecida pela americana Lockheed Martin, como foi anunciado pelo US Strategic Cooperation. Reproduz-se, aqui, o choque entre uma concepção utilitarista e uma visão de longo prazo. O argumento dos primeiros é que “nenhum país transfere esse tipo de conhecimento”. De fato, os americanos não fazem isso mesmo, mas russos e franceses sim. Países como Índia, Paquistão, Austrália e China, aliás, já mostraram como é possível usar o offset tecnológico para exigir transferência real de tecnologia.

AG. ISTOÉO presidente da Fiesp, Paulo Skaf, é um entusiasta da recriação da indústria de defesa nacional. “Nossa visão é que a Defesa não é uma indústria normal, como qualquer produto que se compre ou se venda”, diz Skaf. “Quando falamos de Defesa, estamos falando de soberania nacional. Não se pode comprar equipamentos militares em troca de commodities”, alfineta o empresário, citando o caso dos helicópteros russos. “Temos que pensar em trazer tecnologia.” Skaf criou na Fiesp o Comitê da Cadeia Produtiva da Indústria de Defesa (Comdefesa), um fórum de discussão do tema que reúne empresários e oficiais-generais. “O Brasil deixou de produzir material bélico, criou-se uma defasagem e, para minimizar essa obsolescência, optamos por importar significativa parcela do equipamento militar”, completa Jairo Cândido, presidente do Grupo Inbrafiltro e coordenador do Comdefesa. “Para piorar, o sistema tributário brasileiro penaliza a indústria de defesa. Um produto adquirido no Exterior custa às Forças Armadas 42% menos que o mesmo material produzido no Brasil”, diz Cândido.

Marine : Lancement des études pour une FREMM antiaérienne

Marine : Lancement des études pour une FREMM antiaérienne

Frégate Européenne Multi-Missions (FREMM)
crédits : DCN


Eviter de perdre deux frégates antiaériennes. C'est l'objectif de la Marine nationale qui, après avoir réduit significativement le nombre de ses navires en service, a atteint dès 2000 le format du « Modèle 2015 ». Or, l'abandon des troisième et quatrième Frégate de Défense Aérienne (FDA) du type Horizon, jugées trop onéreuses malgré l'inscription de la troisième à l'actuelle loi de programmation militaire, pose un véritable problème capacitaire à la flotte française. Le retrait du service, en 2001 et 2007, des Frégates Lance-Missiles (FLM) Suffren et Duquesne, ne laisse en effet que deux bâtiments antiaériens opérationnels, les Cassard et Jean Bart. La faiblesse de ces moyens, cruciaux pour assurer la protection des unités précieuses comme les porte-avions, est à mettre en rapport avec la situation des autres pays européens. Ainsi, la Grande-Bretagne dispose de 8 bâtiments de ce type, qui seront remplacés, nombre pour nombre, par les destroyers du Type 45 (équivalents des Horizon). Même l'Espagne, dont les intérêts maritimes sont nettement moins importants, a autorisé la construction d'un cinquième destroyer du type F100 et vient de commander un sixième système de combat AEGIS, entérinant la décision de réaliser une sixième unité de cette classe. Dans ces conditions, les ambitions françaises sont des plus raisonnables, pour ne pas dire un peu justes : « Certains bâtiments ont été prolongés aux maximum de leurs possibilités sans qu'il soit pour autant possible d'éviter la rupture capacitaire. C'est le cas en matière de défense aérienne. Afin d'assurer certains aspects de son contrat opérationnel, la marine a du faire appel occasionnellement au renfort de frégates d'autres Etats européens qui n'ont pas toujours été en mesure de répondre favorablement », notait déjà, fin 2005, le sénateur André Boyer, de la commission des Affaires Etrangères et de la Défense du Sénat.
Si les FLM seront finalement remplacées, avec du retard, par les FDA Forbin et Chevalier Paul (2008 et 2009), la Marine nationale doit, d'ores et déjà, préparer le renouvellement des Cassard et Jean Bart, dont le désarmement est prévu autour de 2018. Faute de pouvoir commander deux Horizon supplémentaires, le ministère de la Défense planche sur une solution nettement plus économique, qui consiste à adapter une plateforme de Frégate Européenne Multi-Missions (FREMM) à la lutte antiaérienne.

Prolonger la série des FREMM pour compenser la perte des Horizon 3 et 4

Afin d'assurer les missions qui lui sont confiées et en prévision de l'importance croissante de l'espace maritime dans la géostratégie mondiale, il est logiquement souhaitable pour la France de maintenir le niveau capacitaire du Modèle 2015, format qui fixe à 26 le nombre de frégates dont doit disposer la marine. Pour y parvenir, la flotte doit aligner deux bâtiments antiaériens compensant l'abandon des deux dernières Horizon et s'ajoutant aux unités déjà prévues. L'aspect social est également à prendre en compte, DCNS voyant partir en fumée, avec deux FDA en moins, quelques 2 millions d'heures de travail. Afin d'assurer la disponibilité permanente de deux navires antiaériens pour escorter un groupe aéronaval ou amphibie, la commande des nouvelles frégates, appelées FREDA, doit impérativement intervenir en 2011. C'est à cette date que la première tranche optionnelle du contrat FREMM doit être affermie par le ministère de la Défense. Pour l'heure, seule une tranche ferme de 3.5 milliards d'euros a été notifiée fin 2005. Elle comprend les études et le développement, ainsi que la réalisation de six bâtiments spécialisés dans la lutte anti-sous-marine (ASM) et deux dans l'action vers la terre (AVT). La première tranche optionnelle porte, quant à elle, sur quatre frégates, soit 2 ASM et 2 AVT. Faute de pouvoir ajouter, dès 2011, deux navires supplémentaires dans cette tranche, les deux frégates AVT qui y sont inscrites pourraient être remplacées par les FREDA destinées à prendre la relève des Cassard et Jean Bart. Le programme prévoit, par ailleurs, la commande de cinq autres navires AVT, intégrés dans une seconde tranche conditionnelle (pouvant être affermie en 2013).
Pour mémoire, le programme FREMM, mené en coopération avec l'Italie et d'un coût total de 6.45 milliards d'euros pour la France, bénéficie de l'effet de série engendré par la commande initiale de 17 bâtiments. Si une partie du projet est finalement abandonnée, l'ensemble sera soumis à des pénalités qui pourraient relever significativement le prix des premiers bateaux livrés.

Horizon : Deux frégates à 2.7 milliards d'euros

La question des FREDA découle de l'abandon des troisième et quatrième frégates de défense aériennes (FDA) du type Horizon. Premier grand programme naval mené au travers d'une coopération européenne, Horizon a essuyé les plâtres d'un montage industrialo-politique des plus complexes. Lancé en 1994 sur la base de 20 navires, le projet a vu le retrait, en 1999, de la Grande-Bretagne, qui a néanmoins maintenu sa participation sur le système d'armes PAAMS, compliquant un peu plus la donne (plateforme bipartite et système d'armes tripartite). Restées seules, la France et l'Italie ont, par la suite, revu leurs ambitions à la baisse, avec 4 navires au lieu de 10 initialement prévus. En définitive, le coût des deux frégates françaises, les Forbin et Chevalier Paul, atteint 1.9 milliard d'euros, auquel il faut ajouter le coût du système d'armes. La Marine nationale estimant le budget total à 2.7 milliards d'euros, le prix de ce dernier serait donc d'environ 800 millions d'euros. Vu le montant colossal de cette facture, la solution nettement plus économique d'une FREMM antiaérienne a été retenue, bien que cette dernière ne puisse présenter les mêmes capacités qu'une Horizon. Long de 153 mètres pour un déplacement de plus de 7000 tonnes en charge, ce type de bâtiment est extrêmement complexe. Dotée de l'un des plus puissants systèmes de combat jamais embarqué sur un navire, la FDA peut détecter et suivre plus d'un millier de pistes dans un rayon de 300 kilomètres et en engager plusieurs simultanément, grâce à 32 missiles Aster 30 et 16 missiles Aster 15. Le reste de l'armement est constitué de 8 missiles antinavires Exocet MM40, deux pièces de 76 mm, deux canons de 20 mm, deux tubes lance-torpilles pour MU 90 et un hélicoptère NH90. L'installation d'un système surface-air à très courte portée (SATCP) sur la plage arrière (missiles Mistral) n'est en revanche plus certaine, économies obligent. En dehors de l'armement, les Horizon disposent de très importants moyens de guerre électronique, notamment en matière de brouilleurs et de lance-leurres.

De la FREMM à la FREDA : Les modifications techniques

Après de longs mois de réflexion, la phase préparatoire des études destinées à réaliser des FREMM de Défense Aérienne (FREDA) ont, selon nos informations, débuté il y a deux mois. La Délégation Générale pour l'Armement (DGA), la marine et DCNS étudient toutes les solutions possibles à partir du design initial des frégates multi-missions qui, avec une longueur de 135 mètres, atteindront un déplacement de 5800 tonnes en charge. Afin de limiter au maximum les coûts, les aménagements intérieurs seront conservés, tout comme la coque, qui sera sans doute identique à celle d'une FREMM AVT, avec un radier sur l'arrière. L'absence de radar de veille à longue portée ne pouvant être solutionnée sans revoir l'architecture générale des navires (et donc le prix), la puissance du radar multifonctions Herakles sera plus importante afin que ce dernier, qui effectue une rotation par seconde, puisse voir plus loin. Bien que ces modifications ne permettront pas à l'Herakles de détecter des pistes aussi éloignées qu'un radar du type LRR, elles devraient être suffisantes pour permettre aux FREDA de traiter des cibles dans un volume de l'ordre de 150 kilomètres. Cette portée est, par exemple, bien adapté à la protection aérienne d'un groupe amphibie opérant au large du littoral. Pour assurer leur capacité, par rapport à une FREMM classique, de protection élargie, les systèmes de combat des deux futurs navires recevront, par ailleurs, des logiciels spécialisés pour la conduite d'engagements antiaériens à longue portée. Côté armement, les FREDA conserverait 32 cellules de lancement vertical sur l'avant mais les deux lanceurs Sylver prévus sur les FREMM pour embarquer 16 missiles de croisière Scalp Naval seront remplacés par deux modules abritant 16 missiles antiaériens Aster 30. Tout comme les Horizon, ces munitions permettent de détruire des objectifs dans un rayon de 70 kilomètres. La dotation en Aster 30 serait complétée par les 16 missiles Aster 15 (portée de 30 kilomètres) de la plateforme initiale ou, suivant d'autres options, par 16 autres Aster 30. L'installation de systèmes SATCP ne serait, dans le premier cas, pas nécessaire mais devrait être sans doute envisagée dans le second (afin d'assurer l'autoprotection à courte portée). Pour mémoire, le reste de l'armement des FREMM consiste en un canon de 76 mm, deux canons de 20 mm, 8 missiles antinavires Exocet MM40, des torpilles MU90 et un hélicoptère. On notera enfin que pour assurer leur mission de défense aérienne, les FREDA devront sans doute disposer de systèmes de guerre électroniques plus puissants que les frégates multi-missions. A ce stade du projet, le choix final de l'armement et des équipements des FREDA n'est évidemment pas acté. Différentes configurations sont à l'étude afin de concilier besoin opérationnel et enveloppe budgétaire.
L'ensemble des modifications, relativement peu importantes par rapport au design initial, devraient permettre de maintenir la facture des deux nouvelles frégates de défense aérienne aux alentours de 550 millions d'euros pièce, hors coût des munitions. Des économies d'échelle pourraient également être réalisées avec la Grèce, qui se serait montrée intéressée par ce navire. La FREDA deviendrait alors FRégate Européenne de Défense Aérienne.

26 frégates de combat au début des années 2020

Conçues pour détecter et détruire les missiles et aéronefs assaillants, les FDA et FREDA sont destinées à protéger les porte-avions et grands navires amphibies, tels les bâtiments de projection et de commandement (BPC) du type Mistral. Les frégates multi-missions devront, quant à elles, remplacer à partir de 2011 les 10 frégates de lutte anti-sous-marine des classe F 67 et F 70 (neuf sont encore en service), ainsi que les 17 avisos du type A 69 (neuf encore en service), dont le désarmement est prévu entre 2011 et 2020. A cette date, la Marine nationale aura donc vu son format réduit en nombre de passerelles, tout en disposant de navires plus gros et à la maintenance plus aisée, donc moins onéreuse. Ces bateaux seront, en outre, armés par des équipages particulièrement réduits pour leur tonnage (110 marins par frégate, soit deux à trois fois moins que sur les anciennes unités), tout en présentant un taux de disponibilité de 3700 heures par an et par bâtiment, contre 2000 à 2500 heures sur la génération actuelle.
Plus économiques, les FREMM seront, par ailleurs, de précieux outils de gestion de crise, grâce à l'emport du missile de croisière Scalp Naval, d'une portée de 1000 kilomètres. Sur les 17 frégates du programme FREMM, 8 seront à vocation ASM et 9 à vocation AVT. Ces dernières disposeront d'un petit radier pour une embarcation commando, sur l'arrière, en lieu et place du sonar remorqué des frégates ASM. Aux FDA, FREDA et FREMM, il faut ajouter les cinq frégates légères furtives du type La Fayette. Ces bâtiments, livrés par DCNS Lorient entre 1996 et 2001, sont prévues pour naviguer jusqu'en 2026/2031. Au début des années 2020, la France devrait donc disposer de 26 frégates de combat pour protéger son espace maritime, soit quelques 11 millions de kilomètres carrés, de l'Atlantique au Pacifique en passant par la Méditerranée, les terres australes et l'océan Indien.

quinta-feira, 23 de agosto de 2007

Looking For Lights In the Fog

Wednesday, August 22, 2007

Looking For Lights In the Fog

As October approaches, I'm getting a bit anxious to read the new Maritime Strategy being prepared by the US Navy. Clearly the Navy is already in a state of change, or is the word flux, as transition in the Navy is evident by the abundance of guidance, visions, operational concepts, appraisals, evaluations, programs, initiatives, recommendations, and decisions flowing from an unparalleled number of statements of naval strategy.

How does one take a National Security Strategy, a National Defense Strategy, a National Military Strategy, a National Strategy for Maritime Security, a National Fleet Policy, and a Quadrennial Defense Review and somehow balance Naval Power 21, Sea Power 21, and a Naval Operational Concept to put together a document of strategy relevant to our time and for the future of the Navy.

This daunting task is made more difficult by the environment in which the strategy will be introduced. Politics today are as polarizing as they are partisan, with clear divisions in the very role of the US as a nation and as a military power in foreign policy, made more difficult with the nation currently engaged in two ground wars; engaged in a long war with an elusive, idealogical enemy operating outside our western Westphalian System; while at the same time witnessing the early phases of the rise of an economic and potential future maritime military peer.

The United States has achieved absolute tactical superiority through information superiority and exploiting our technological advantage since the end of World War II, and yet the US hasn't won a major strategic victory in any military conflict since. General James Conway recently made the statement that "the Marine Corps wins battles but the Army wins the Nation’s wars," I would add to that statement by saying the Navy wins the Nation's peace, with the cold war as evidence.

I believe that this will be especially true in the future; that for the United States to win the peace in the 21st century, the Navy will require a systematic approach to the escalation and de-escalation of conflicts both small and large through security, deterrence, and defending the homeland.

Even brilliance in military strategy can't overcome however the major hurdle facing the Navies new maritime strategy, specifically the absence of political policy based on an effective national strategy. As I have already highlighted, the nation is in abundance of "National" strategies, and feel free to read them carefully for evidence they are effective. The term political strategy in the US today has very little to do with national interest, rather the term revolves around partisan idealogical political objectives. Our nation eats its own in the absence of a clear and defined external threat, which is ironic considering we fight two ground wars and see major challenges that directly effect our national interests over the horizon in every direction.

We live in a dangerous time of second string Monday Morning Quarterbacks populating the big chairs in the media and political class. Their hubris is so grand they assume the role to advise Generals on tactical moves like surge or withdrawal, and pass on this advice in tactics by calling it a strategy, in absolute abuse of the term. Ironic how the political class does this, considering they themselves have no strategies at all, and to this day are in complete reliance of the military strategy alone to achieve strategic victory in war. While most are discouraged by this, I am not convinced this is a bad thing, considering it is the application of unclear political strategies in every war since WWII that has lost us those wars. The way I see it, at least in Iraq the military has a clear objective and can choose to let Baghdad instead of DC handle the political decisions, which is probably for the better, since the military today is probably better received in Baghdad than it is in DC.

Petraeus continues to advance a successful military strategy. This strategy is clearly in the national interest of the United States, no matter what ones personal feelings are on Iraq, yet in the political class in America there is evidence and statements as much that this somehow isn't a good thing. Given that successful military strategies in winning the nations wars aren't accepted in today's political environment as a good thing, how should one expect the Navy maritime strategy for peace to be received?

Arquivo do blog